PPP, Organograma, Referencial Curricular e Grade

Você está em: O Colégio

 

“Se não houver caminho que nos leve
Nossas mãos o abrirão,
E haverá lugar para as crianças,
Para a vida e para a verdade;
e esse lugar será de todos,
na justiça e na liberdade.
Se alguém se anima, avise:
Seremos dois a começar.”
                                          Oscar Campana

 

Índice
1- Apresentação
2- Breve Histórico da Unidade Escolar
     2.1-  Identificação
     2.2-  Nossa História
2.3-   Parceria com o Pueri Domus Escolas Associadas
     2.4-  Caracterização da Clientela
2.4.1- Contexto da Escola: Ambiente Social, Cultural e Físico; Situação Sócio Econômica e
            Educacional da Comunidade
2.4.2- Articulação com as Famílias

3-Princípios Filosóficos e Educacionais
     3.1- Missão
     3.2- Formação Humanística e Holística
     3.3- Valores

4- Pressupostos Teóricos da Educação
5- Finalidades e Objetivos da Educação
     5.1- Educação Infantil
     5.2- Ensino Fundamental

6- Princípios e Práticas Pedagógicas da Educação Infantil
     6.1- Currículo
        6.1.1- Objetivo e Conteúdo 
       
7- Princípios e Práticas Pedagógicas do Ensino Fundamental
     7.1- Currículo
        7.1.1- Objetivo e Conteúdo 

8- Práticas Pedagógicas
      8.1- Avaliação / Recuperação
      8.2- Tarefa de casa
     8.3- Relação Professor x Aluno
      8.4-  Recursos Didáticos e Espaço Físico
      8.5- Estudo do Meio
      8.6- Inclusão

9- Organização do Cotidiano
     9.1 - Curso de Férias e Atividades Extras
     9.2 - Cursos Extra-Curriculares
     9.3- Período Integral
     9.4- Formação dos Professores
     9.5- Reunião de Pais

10- Estrutura Organizacional
      10.1- Organograma (anexo)
      10.2- Grade Curricular (anexo)
11- Projetos Anuais
12- Referências Bibliográficas

 

1. Apresentação
“A educação é projeto, e, mais do que isso, encontro de projetos; encontro muitas vezes difícil e conflitante e angustiante mesmo; todavia altamente provocativo, desafiador, e, porque não dizer prazeroso, realizador.”
Celso Vasconcellos

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN 9.394/96) no inciso I do artigo 12  estabelece que, respeitada as normas comuns e a do seu sistema de ensino, os Estabelecimentos de Ensino terão a incumbência de elaborar e executar sua Proposta Pedagógica: o Projeto Político- Pedagógico (PPP). O artigo 12 inciso VII define como incumbência da escola informar os pais e responsáveis sobre a frequência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução de sua Proposta Pedagógica.
No artigo 13, chamado o “artigo dos professores”, aparecem como incumbências desse segmento, entre outras, as de participar da elaboração da Proposta Pedagógica do Estabelecimento de Ensino e elaborar e cumprir plano de trabalho.
O artigo 15, concedeu à escola progressivos graus de autonomia pedagógica, administrativa e de gestão financeira. Essa autonomia permite à escola a construção de sua identidade e à equipe escolar uma atuação que a torna sujeito histórico de sua própria prática. Elaborar esse documento é uma oportunidade para a escola escolher o currículo e organizar o espaço e o tempo de acordo com as necessidades de ensino. Além da LDB (1996), a Proposta Pedagógica deve considerar as orientações contidas nas Diretrizes Curriculares elaboradas pelo Conselho Nacional da Educação e nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) e Referenciais Curriculares Nacionais (RCNs – 1999).
O Projeto Político-Pedagógico deve estar consonante com as leis vigentes (Lei 9.394/96); Estatuto da Criança e do Adolescente, Resoluções do CME 002/98; 03/99 e 06/99; Diretrizes Nacionais para a Educação Infantil e para o Ensino Fundamental de Nove Anos; Diretrizes Municipais para a Inclusão da História e Cultura Afro-Brasileira; Lei 10639/03 e as Diretrizes Municipais do Meio Ambiente.
Segundo Veiga (1995), um Projeto Político-Pedagógico – PPP, ultrapassa a dimensão de uma Proposta Pedagógica; é uma ação intencional, com um sentido explícito, com um compromisso definido coletivamente. Por isso, todo Projeto Pedagógico da escola é, também, um projeto político por estar intimamente articulado ao compromisso sócio-político e com os interesses reais e coletivos da comunidade. É um trabalho que exige comprometimento de todos os envolvidos no processo educativo: professores, equipe técnica, alunos, pais e comunidade como um todo.
Nos fundamentos éticos e políticos, a escola explicita os princípios e os valores que constituem a sua identidade. É nesse foco que a escola coloca sua visão de mundo, sociedade e de sujeito.

 

2- Breve Histórico da Unidade Escolar

Para a elaboração do Projeto Político-Pedagógico consideramos de grande importância a apresentação de um breve histórico da Instituição.
Idealismo, amor, honestidade, vontade forte, fé em Deus e no ser humano, trabalho...trabalho...
Foram esses os ingredientes para a transformação de um sonho em realidade: o Colégio Farroupilha.
Trazendo um coração gaúcho na bagagem, voltavam a Campinas Marlene e Flávio. O trabalho educativo que haviam iniciado lá no Sul não podia parar. Estava no sangue... E nasceu aqui, timidamente, o Externato Farroupilha (Farroupilha ? Saudades do Rio Grande...) Escola pequena, para crianças pequenas, berçário e maternal, no início. Uma casa, modesta, na rua Fialho de Almeida, no Jardim Nª Sra. Auxiliadora.
Mas o sonho era maior. Era preciso ampliar horizontes. E começou a nascer o Ensino Fundamental. Ano a ano, agora em prédio novo e próprio, surgiram a 1ª, 2ª, 3ª e 4ª séries. E as sementes cultivadas com muito carinho germinaram e deram frutos e flores... 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries.
A sociedade campineira havia sido contemplada com uma Instituição de Ensino de peso, cuja preocupação maior sempre foi a formação integral do aluno, tido e sentido como gente. A afetividade e a liberdade de expressão sempre foram o lema do Farroupilha.
Sua Proposta Pedagógica e sua filosofia primam por inserir o aluno no contexto sócio-cultural, dando-lhe ferramentas para se tornar um verdadeiro cidadão, cônscio de seus direitos e deveres para consigo mesmo e para com a sociedade.
A partir de 1996, o Externato virou Colégio Farroupilha.
O percurso foi longo, a caminhada foi árdua. Mas os ingredientes que serviram de base para a sua construção continuaram firmes e, ao completar 25 anos, em 1999, o Colégio Farroupilha inaugurou sua Unidade II, especialmente dedicada à Educação Infantil.
Hoje, com 3 Unidades (a Unidade III voltada para atender alunos em período integral), o Colégio Farroupilha se torna um marco importante dentro da comunidade campineira, exercendo papel singular na educação e formação de crianças e jovens.

“Conhecendo todos, educando um a um !”

 

2.1. Identificação

Unidade I
Nome da Escola: Colégio Farroupilha
Mantenedora: Cassoli & Malheiros Ltda
CNPJ: 45.800.356/0001-48
Endereço: Rua Fernão Lopes, 1420 – Pq. Taquaral – Campinas – SP
Telefone: (19) 3241-7811

             Unidade II
             Nome da Escola: Escola de Educação Infantil Farroupilha
             CNPJ: 03.298.811/0001-09
             Endereço: Rua Fernão Lopes, 1346 – Pq. Taquaral – Campinas – SP
             Telefone: (19) 3305-3885


2.2. Nossa história

2.3.Parceria com o Pueri Domus Escolas Associadas
Dezenove anos desde a sua criação o Externato Farroupilha, mais do que nunca, sentiu que era preciso compartilhar experiências, para se chegar a um ideal em educação.
Escolhido para tomar parte no seleto grupo de instituições de ensino primário e secundário do interior, que formam o Pueri Domus – Escolas Associadas, o Farroupilha deu um importante passo rumo a este ideal.
Com uma assessoria completa na forma de cursos e orientação aos professores participantes, o programa se amplia com um pródigo intercâmbio de experiências, que gera uma constante atualização e reciclagem do processo pedagógico das Escolas Associadas.
A Escola Pueri Domus , desde 1966, fundamenta-se em uma proposta pedagógica voltada para o desenvolvimento global dos alunos. Busca o equilíbrio entre desenvolvimento emocional, cognitivo e social, preparando o indivíduo para novos desafios, inserindo-o em um universo cultural com responsabilidade e autonomia. Isso é possível graças a uma formação pautada pelo rigor acadêmico e atitudinal, pela preparação dos alunos para o acesso às universidades e construção de uma carreira profissional sólida e com sucesso.
Desde sua fundação, a Escola Pueri Domus marcou sua vocação de escola  contemporânea e pluricultural , priorizando formar indivíduos culturalmente inseridos, apropriando-se não só da cultura local, mas também global.
A proposta de trabalho contempla as questões que tão veementemente vêm sendo enfatizadas pela sociedade, pela mídia, pelos pesquisadores das várias áreas de conhecimento e pela legislação em vigor.
Respeitando e cumprindo o que entende ser papel da Escola, o Pueri Domus proporciona ao aluno, meios para desenvolver habilidades que permitem a construção de novos saberes. Destacamos os aspectos que orientam as escolhas didáticas e pedagógicas.
• A aquisição de conhecimento entendida como uma construção a ser realizada pelo aluno;
• A necessidade de confrontar a experiência prévia do aluno com os conteúdos apresentados na Escola;
• O entendimento de que a aprendizagem ocorre nas interações cognitivas, sociais e afetivas.
            Nessa perspectiva, o Sistema Pueri Domus Escolas Associadas desde sua criação
em 1994, encara os desafios de seu tempo alicerçada numa Proposta Pedagógica que respeita as necessidades e os interesses dos alunos no processo de desenvolvimento, valoriza os conteúdos e conceitos essenciais das diferentes áreas de conhecimento, atribuindo-lhes uma dimensão atual e almejando resultados qualitativos e quantitativos.

 

2.4. Caracterização da escola:

2.4.1. Contexto da escola: ambiente social, cultural e físico; situação sócio econômica e educacional da comunidade.

O Colégio está situado na região leste de Campinas, em um bairro residencial denominado Taquaral,  considerado um bairro nobre, formado por pessoas de classe média-alta. É um bairro conhecido pelos moradores da cidade pois contêm a maior área verde – Lagoa do Taquaral - destinada ao lazer,  atraindo grande número de visitantes.
É um colégio da rede particular de ensino que atende uma clientela de classe média e média-alta.  Mantém convênio com algumas Empresas como: CPFL, 3M, Medley, OAB e com a instituição de Ensino Unicamp.
Os pais e responsáveis possuem nível de médio a superior, funcionários públicos e de empresas, empresários e profissionais liberais.

2.4.2. Articulação com as famílias

Campinas é uma cidade moderna e exige a presença de profissionais capacitados e habilitados para atender à demanda do mercado de trabalho devido aos avanços tecnológicos e à presença de empresas multinacionais que sugerem que o mercado de trabalho necessitará, cada vez mais, de melhor qualificação.
O Colégio estabelece uma parceria com as famílias dos educandos para que o atendimento à criança aconteça de forma plena e satisfatória. Entende a importância de uma relação especial entre a instituição e as famílias, acolhendo com atenção e interesse a participação dos pais, favorecendo a troca de informações, tão úteis nos cuidados diários do aluno.
      Considera importante juntar as competências da família e da escola para um melhor desenvolvimento do aluno. A integração da equipe escolar com a equipe familiar fortalece a prática de valores fundamentais (o respeito, a gentileza, a solidariedade, a cooperação, entre outros) e para a colocação de limites indispensáveis para encarar os desafios do desenvolvimento.
Para tanto o colégio disponibiliza acesso à Proposta Pedagógica, a filosofia, ao funcionamento e a rotina diária por meio de reuniões e visitas.


3-Princípios Filosóficos e Educacionais
O Colégio Farroupilha verifica a prática pedagógica a partir do contexto social, porque acredita na educação processual que prepara o homem para a vida produtiva em sociedade, objetivando a melhoria das condições para si e para a comunidade.
Não prescindindo do conteúdo programático, o Colégio Farroupilha visa, principalmente, instrumentalizar o aluno para aprender a conhecer, fazer, conviver e ser,
através da formação humanística e holística, que vê o ser humano como um todo e protagonista e alicerceador de sua própria história.
Afetividade, respeito à individualidade, liberdade de pensamento, ética e autonomia são os principais elementos que direcionam a prática  pedagógica do Colégio Farroupilha.
Nosso lema “Conhecendo todos, educando um a um”, espelha nosso compromisso de reconhecer em cada aluno um ser único, insubstituível, merecedor de afeto, atenção e respeito.

Nossa Proposta Filosófica está baseada nos princípios para o processo de aprendizagem produzido pela Comissão Internacional Sobre a Educação para o Século XXI, criada pela UNESCO, sob a presidência de Jacques Delors. Tal concepção indica a necessidade de se ultrapassar a visão meramente instrumental da educação, passando a se organizar em torno dos 4 Pilares Básicos do Conhecimento. “Aprender a conhecer, isto é adquirir os conhecimentos da compreensão; aprender a fazer, para poder agir no mundo envolvente; aprender a conviver ou a viver juntos, a fim de participar e cooperar com os outros em todas as atividades humanas; aprender a ser, via essencial que integra as três precedentes”
Aprender a Conhecer: esse princípio é carregado de evidências, sobretudo à  luz dos progressos da comunicação e da informática, bem como da generalização das fontes da informação e dos meios de acesso a elas. O conhecimento não está fechado em livros inacessíveis em linguagem cifrada, em locais a que poucos têm acesso, a democratização do livro, a disseminação de jornais, os meios eletrônicos e o acesso às informações e a rede mundial de computadores-internet estão permitindo que se tenha a possibilidade de obter a informação de que se precisa no momento em que se quer. Uma tarefa importante da escola hoje, é ensinar aos alunos como chegar à informação e ao conhecimento.
O conhecimento não cessa de progredir e de acumular-se. O importante é saber onde encontrá-lo, como chegar a ele.
Aprender a Fazer: esta segunda aprendizagem refere-se a colocar em prática os conhecimentos, estabelecendo uma ligação direta da educação com o mundo de trabalho. Tal diálogo é fundamental por que o futuro das economias depende da capacidade de transformar os avanços do conhecimento em inovações geradoras que
respondam às novas demandas do mercado. O binômio conhecer e fazer, para ser colocado em prática, requer uma postura menos dependente do currículo formal e a abertura para experiência educativa. Requer também escuta que é uma atitude de sensibilidade para saber ouvir e ser ouvido, em todos os sentidos.
Aprender a Conviver: aprender a conviver, significa aprender a viver com as diferenças, com os conflitos, com as desigualdades, com as semelhanças, com as contradições. O ambiente da escola contribui, em todos os sentidos, para uma convivência humanizada ou para o estabelecimento de um campo hostil. É preciso que o espaço escolar seja identitário, personalizado, que as pessoas se sintam identificadas e implicadas. Isso gera a ética do meio ambiente, o que é fundamental, por que continua pela vida a fora.
Aprender a Ser: o pilar aprender a ser, veio para responder às demandas do mundo em constante mudança e de forte poder midiático, marcando a necessidade de fortalecer a importância da educação, no sentido de “conferir aos seres humanos a liberdade de pensamento, discernimento, sentimentos e imaginação de que necessitam para desenvolver seus talentos e permanecerem tanto quanto possíveis, donos do seu próprio destino”. Não se trata apenas da defesa do indivíduo numa sociedade alienante. Mais que isso, representa a valorização da diversidade de personalidades, da autonomia, da iniciativa como suportes da criatividade e da inovação.
 

3.1-MISSÃO
Temos o compromisso de reconhecer em cada aluno um ser humano único, insubstituível e merecedor de afeto e atenção.
Colocamos aqui nossa proposta de trabalho baseada em compromisso, responsabilidade, envolvimento, respeito e ensino com excelência.
Acreditamos no poder e significado da educação e na formação de seres humanos atuantes, empenhados na construção de um mundo melhor.


3.2-Formação Humanística e Holística

Pensamos que a tarefa da educação escolar, como um espaço artificial de convivência, é permitir e facilitar o crescimento das crianças como seres humanos que respeitam a si próprios e aos outros com consciência social e ecológica, de modo que possam atuar com responsabilidade e liberdade na comunidade a que pertencem.
Dentro de uma visão holística da educação, deve haver um encorajamento constante da divergência e do pensamento criativo por parte do aluno. Os alunos e professores são parceiros no processo ensino aprendizagem; e o professor é levado a atuar como facilitador desse processo, se propondo também a aprender com seus alunos. Devem ser adultos criativos, com auto-estima elevada, dispostos a acolherem as ideias dos alunos e a fomentar entre eles a cooperação, ao invés da concorrência e da competição.

O desenvolvimento da auto-estima é fundamental. Alunos com elevada auto estima, felizes consigo e com o que fazem, geralmente conseguem desempenhos excelentes. Um dos pressupostos da visão holística da educação é que o processo ensino aprendizagem não se dá apenas no ambiente da escola, mas no contexto de toda a sociedade.
Ao contrário do que possa parecer, a pedagogia holística não exclui as modernas tecnologias que nos oferecem enormes possibilidades de revolucionar as formas de aprendizado. A arte tem tanta importância na formação do aluno quanto o conhecimento científico. O mesmo valor é dedicado tanto à poesia quanto à matemática, tanto à música quanto à ciência, tanto ao teatro quanto à geografia, havendo também um espaço para a filosofia.
Dentro de uma abordagem holística, a experiência interior de cunho transpessoal é vista como fundamental para o aprimoramento. O aluno é estimulado a relatar e discutir seus sonhos, suas experiências interiores e a aprender através dela.


3.3-VALORES
Valores são investimentos afetivos, apoiados em conceitos, mas ligados a emoções positivas ou negativas. Educar para os valores é convidar alguém acreditar naquilo que apreciamos: valores universais e a responsabilidade de cada um pelos seus atos.
Afetividade: não podemos nos esquivar de um dos papéis que nos é próprio por natureza: educar com amor. Além dos conteúdos, é preciso sempre trazer para dentro da sala de aula aquela lição que se ensina com o olhar, com o toque, com a acolhida, com o ouvir. È necessário, em vários momentos esvaziarmos de nossas tantas teorias e técnicas educativas e ouvirmos o chamado do nosso coração.
Respeito à individualidade: é preciso viver nosso educar de modo que a criança aprenda a aceitar-se e a respeitar-se, porque assim aprenderá aceitar e respeitar os outros. Para fazer isso, devemos reconhecer que não somos de nenhum modo transcendente, mas somos um devir, num contínuo ser variado ou estável, mas que não é absoluto nem necessariamente para sempre. E sem aceitação e respeito pelo outro como legítimo outro na convivência, não há fenômeno social.
Liberdade de pensamento: é a liberdade que os indivíduos têm de manter e defender sua posição sobre um fato, um ponto de vista ou uma ideia, independente das visões dos outros.
Consta na Declaração Universal dos Direitos Humanos em seu artigo XVIII, que expressa que “todas as pessoas têm direito à liberdade de pensamento, à consciência e à religião”.
Educar pela liberdade é favorecer e fortalecer o diálogo e estimular o pensamento crítico. A postura do professor é fundamental. Quanto maior a liberdade, maior a possibilidade de discussão, de refutação e de correção dos erros.

Desejamos que cada aluno compreenda o seu processo de aprendizagem e busque cada vez mais o desenvolvimento de suas competências, e assim tornando-se autor de seu pensamento.
Ética: não pode ser um atributo ou qualidade, tem que ser uma condição natural, algo que se espera de todos. É uma obrigação, não apenas do cidadão, ética é obrigação da nação, um princípio fundamental para que se possa construir uma sociedade justa. Aos que governam e representam a nação, ter ética é um dever básico. Ter respeito pelo que é nosso.
Ética é atitude, o que se espera, não do amanhã, mas de hoje. É nosso dever ajudar a construir um país melhor, é nosso desejo viver em um mundo mais ético.
Autonomia: o nosso trabalho defende uma educação que procure desenvolver a autonomia moral e intelectual de seus alunos. Piaget e seus seguidores mostram a importância de que as crianças ajam corretamente por escolhas próprias, e não pela pressão de castigos ou de recompensas. Que tenham respostas corretas, não por que alguém lhes mostrou, mas porque as encontrou. É importante que as crianças tenham consciência de seus atos, que estejam cientes de suas consequências e que reflitam sobre eles.
Com essas preocupações, a autonomia seria o objetivo da educação, sendo favorecida com métodos que privilegiassem a cooperação, numa relação de respeito mútuo.

4- Pressupostos Teóricos da Educação
A linha pedagógica do Colégio é sócio-construtivista interacionista. Fundamenta-se nas teorias de Piaget e Vygotsky, segundo os quais o indivíduo constrói o seu próprio conhecimento, mediante interações com o meio ambiente e com o meio social.
Jean Piaget - biólogo e psicólogo suíço, estabeleceu etapas no desenvolvimento mental: período sensório motor (até 2 anos de idade) período das operações concretas (até 11 anos de idade) e período das operações formais (até os 15 anos de idade).
Lev Semyonovitch Vygotsky – educador russo que defendeu a influência da interação social no aprendizado do indivíduo.
Construtivismo não é apenas o termo como é conhecida a linha pedagógica que mais vem ganhando adeptos. Trocar a prática tradicional por uma linha construtivista não é uma tarefa simples: exige flexibilidade e disposição. O professor torna-se um pesquisador em ação dentro da sala de aula. É preciso entender como a criança constrói seu próprio conhecimento. O professor deve ter pleno domínio da sua disciplina para transformá-la continuamente em um saber didaticamente compreensível para a criança.
O papel do professor é encorajar o aluno através de atividades que lhe causem desequilíbrio ou que o coloque em ação.  O aluno é que está construindo o conhecimento, mas o professor entra como mediador dessa construção, não só apresentando matérias e atividades, mas questionando, interrogando e fazendo o aluno pensar por comparação, por seriação, por classificação, por causalidade, por reversibilidade, e outros.
O compromisso político do construtivismo é a formação do cidadão, pois a qualidade de ensino é medida pela qualidade do cidadão que a escola forma. O construtivismo é assim uma nova visão do mundo e da natureza humana.
O papel político construtivista é o primeiro e o mais importante papel do professor, dispondo o ambiente com seus materiais e instaurando um clima social-democrático, de autonomia e de reciprocidade. Como mediador, o professor é um elo entre o aluno e a matéria de conhecimento, interferindo no processo, sem desviá-lo e nem desvirtuá-lo. O erro é fundamental na construção do conhecimento e a postura do construtivismo perante ele é uma das suas marcas distintas. O interrogatório clínico-crítico é outro procedimento didático que se destaca como marca do construtivismo. O professor pode identificar e acompanhar as ideias e hipóteses do aluno, ajudando-os na passagem da ação para a conceituação. O papel do professor na criação de atividades passa para a reorganização do ambiente e de seus elementos e pela necessidade de conceituação social dessas atividades.
Os componentes da equipe Farroupilha são indivíduos que praticam também uma educação baseada em princípios e valores.


5- Finalidades e Objetivos da Educação

    5.1- Educação Infantil
Segundo o Referencial Curricular Nacional (RCN) para Educação Infantil, as instituições devem criar um ambiente acolhedor que dê segurança e confiança às crianças, garantindo oportunidades para desenvolverem competências de acordo com a faixa etária. Têm como finalidade proporcionar o desenvolvimento integral da criança em seus aspectos (físicos, psicológicos, intelectuais, motores, emocionais, morais e sociais, ampliando as suas experiências, estimulando os seus interesses, cumprindo as funções de educar e de cuidar, baseando seu trabalho nos sete eixos norteadores.
Miguel A. Zabalza aponta dez aspectos-chave para uma Educação Infantil de qualidade, sendo eles:
1- Organização dos espaços;
2- Equilíbrio entre a iniciativa infantil e o trabalho dirigido no momento de planejar e desenvolver as atividades;
3- Atenção privilegiada aos aspectos emocionais;
4- Utilização de uma linguagem enriquecida;
5- Diferenciação de atividades para abordar todas as dimensões do desenvolvimento e todas as capacidades;
6- Rotinas estáveis;
7- Materiais diversificados e polivalentes;
8- Atenção individualizada a cada criança;
9- Sistemas de avaliação, anotações, que permitam o acompanhamento global do grupo e de cada uma das crianças;
10- Trabalho com os pais e as mães e com o meio ambiente.
Aprendizagem é o processo pelo qual o indivíduo adquire informações, habilidades, atitudes e valores a partir de seu contato com a realidade, com as pessoas e com o meio ambiente.
Se os professores não estiverem atentos às novas teorias a cerca da inteligência, suas práticas educativas estarão destinadas ao fracasso, pois hoje a criança está em contato com as inovações da tecnologia e requer uma nova abordagem no processo educativo.
Destacamos, dentre os autores reconhecidamente acadêmicos, ideias de Vigotsky, que se referem às questões pedagógicas quando tratam da inteligência, do conhecimento, da aprendizagem da criança e de educar para o entendimento, buscando o ensino de conteúdos e disciplinas realmente significativas.
Vigotsky afirma que o aprendizado inclui a interdependência dos indivíduos envolvidos no processo. Cabe ao educador o papel de interventor, desafiador, mediador, provocando situações que levem os alunos a aprender.
A Educação Infantil exige uma política voltada para o lugar social que a criança ocupa na relação com o outro em sua cultura. A aprendizagem ocorre no processo de relações interacionistas vividas no ambiente cultural e valorizadas pela escola.
Objetivos:
• Estimular a autoestima do educando por meio de jogos e brincadeiras.
• Incentivar o educando na construção do conhecimento de forma lúdica, tornando prazerosa a experiência do processo de ensino e aprendizagem.
• Evitar a fragmentação dos conteúdos por meio da interdisciplinaridade.
• Melhorar o desempenho dos alunos no 1º e 2º ciclos, investindo na Educação Infantil para diminuir a repetência e a evasão.
• Formar valores éticos, políticos e estéticos, iniciando a formação de valores dos cidadãos.
• Proporcionar oportunidades de comunicação da criança com o professor por meio de gestos, da fala, do desenho e do jogo.
• Facilitar a socialização das crianças por meio das diferentes linguagens.
• Oferecer oportunidades de contato com os diversos tipos de texto onde a escrita seja valorizada.
• Despertar a curiosidade da criança e o desejo de aprender.
• Propiciar o desenvolvimento cognitivo, social e emocional da criança.
• Facilitar a aprendizagem por meio de brincadeiras, desenhos, imitação e dramatização.

5.2- Ensino Fundamental

O ser humano realiza aprendizagem durante toda a sua vida de diversas maneiras. Primeiramente, o que aprende está ligado à sobrevivência da espécie e do indivíduo, tanto no campo biológico como no cultural. As primeiras realizações estão ligadas ao biológico, envolvendo o movimento e a percepção. Outras estão ligadas ao desenvolvimento dos sistemas simbólicos, tendo a aquisição da linguagem mais relevância na fase inicial da vida. Esse desenvolvimento prossegue pela constante transformação resultante de sua interação com o meio.
A criança é dotada de um sistema nervoso de grande plasticidade e tem potencialidades que se desenvolverão em função do meio em que vive, das práticas e dos estímulos culturais, das instituições de que participa e das possibilidades de acesso às informações existentes em seu contexto social.
É relevante, para o desenvolvimento do educando, a experiência anterior à experiência escolar, mas a escola é uma das possibilidades de desenvolvimento para o ser humano.
O processo de escolarização transforma, aperfeiçoa e sistematiza as experiências vividas na família e na comunidade.
O processo de aprendizagem humana envolve componentes como a memória, a consciência e a emoção.
A esses, somam-se outros que são os próprios mediadores da ação humana, o desenvolvimento e a utilização dos sistemas simbólicos, principalmente a linguagem e  o papel da Cultura no processo de desenvolvimento humano.
A escola favorece essa mediação, que acontece entre o adulto e a criança e entre uma criança e outra. Nela, o conhecimento que o aluno elabora, as informações que recebe e a forma como trabalha com elas são elementos de um todo que se caracteriza pelas formas de ação, reação e inserção de cada educando no complexo tecido social da escola e fora dela. A escolarização foi considerada por Vigotsky como uma possibilidade única de desenvolvimento do ser humano, uma vez que as aprendizagens que nela acontecem teriam pouca ou nenhuma possibilidade de ocorrer na vida cotidiana.
Wallon elaborou a tese de que a inteligência humana se desenvolve a partir do sistema emocional, tese hoje corroborada pelas descobertas recentes da Neurociências.
O processo de desenvolvimento envolve os aspectos biológicos, psicológicos e culturais (Vigotsky).
Os procedimentos pedagógicos terão de ser diversificados para cada idade de formação (Wallon). Cabe ao educador, detentor de uma função cultural de socializador de conhecimento, introduzir as mediações necessárias para a construção de conhecimento e desenvolvimento dos educandos e dele próprio, ser humano em desenvolvimento.
Para que sejam incorporadas pelas crianças atitudes de respeito e aceitação do outro, é necessário que essas atitudes estejam presentes nos adultos com quem convivem na instituição. A escola zelará para que haja harmonia nas relações cotidianas, evitando a discriminação de qualquer espécie, criando situações de aprendizagem em que a diversidade seja tema de conversa ou de trabalho.
Os pais terão acesso à escola para dar sugestões, fazer críticas, discutir e contribuir para que o desenvolvimento pleno da criança seja alcançado. Todos os alunos terão os mesmos direitos e não sofrerão nenhum tipo de discriminação.
Os problemas disciplinares serão resolvidos de acordo com as normas estabelecidas no Regimento Interno, respeitando os direitos constitucionais, o Estatuto da Criança e do Adolescente e a individualidade da criança.
São quatro as finalidades específicas da educação básica 1º ao 9º ano:
I- Desenvolver o educando: A escola tem uma responsabilidade importante nesse sentido e é todo o ambiente escolar que deve estar organizado de modo a favorecer o desenvolvimento dos educandos.
II- Assegurar a formação comum indispensável para o exercício da cidadania: Nessa formação, estão incluídos aspectos relativos ao conhecimento das matérias escolares, mas também aspectos práticos para que o educando possa também participar ativamente de sua transformação.
III- Fornecer os meios para progredir no trabalho: O mais importante não é o treinamento do aluno para o exercício de uma profissão, mas criar condições que favoreçam o desenvolvimento da compreensão e do espírito crítico em relação ao mundo do trabalho.
IV- Fornecer os meios para progredir em estudos posteriores: É preciso que haja uma efetiva articulação entre os níveis de ensino para que o aluno possa progredir do ensino fundamental para o médio.
No artigo 32, da LDB 9394/96 a lei trata especificamente do objetivo fundamental, que é a formação básica do cidadão, a ser promovida mediante:
• Desenvolvimento da capacidade de aprender, assegurada pelo domínio pleno da leitura, da escrita, da interpretação, da contagem e do cálculo e da ampliação da visão de mundo pela aquisição de habilidades e conhecimentos.
• Formação de atitudes e cultivo de valores éticos e estéticos.
• Fortalecimento dos vínculos familiares (seja qual for o modelo familiar do educando) e dos laços de solidariedade humana.
• Fortalecimento da tolerância recíproca que exige a vida social.
• Formação de um cidadão crítico e participativo.
• Compreender a cidadania como participação social e política, assim como o exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-dia, atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito.
• Posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas.
• Conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais, materiais e culturais como meio para construir progressivamente a noção de identidade nacional e o sentimento de pertinência ao País.
• Conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural brasileiro.


6- Princípios e Práticas Pedagógicas da Educação Infantil

     6.1- Currículo
O currículo é um conjunto de ações pedagógicas, de atividades intencionalmente desenvolvidas para o processo formativo. Representa a composição do conhecimento e valores que caracteriza um processo social. A escolarização é a condição fundamental de acesso à cultura, ao sentido crítico, a participação cívica e ao respeito pelo outro. O currículo está fundamentado no Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil.
O currículo oculto constitui um conjunto de atitudes, valores e comportamentos que não fazem parte explícita do currículo, mas que são implicitamente ensinados através das relações sociais, rituais, das práticas e da configuração espacial e temporal da escola.

     6.1.1- Objetivo e Conteúdo
A construção de conhecimentos se processa de maneira integrada e global. Há inter-relações entre os diferentes âmbitos a serem trabalhados com as crianças, mas faz-se necessário organizar didaticamente os conteúdos por eixos e faixa etária.
Devem-se levar em consideração as especificidades cognitivas, afetivas, emocionais e sociais das crianças de zero a seis anos, oferecendo experiências que possam contribuir para o crescimento cognitivo e pessoal e o exercício da cidadania.
Disciplina: Identidade e Autonomia
Objetivos: O desenvolvimento sócio afetivo está relacionado aos sentimentos e emoções visando desenvolver a criança como pessoa, estimulando a formação de uma personalidade estável e equilibrada desenvolvendo também o aspecto cognitivo, intelectual, reflexivo e motor. Para construir sua identidade a criança precisa se desenvolver físico, psicológica e socialmente. As atividades oferecidas levam em conta duas características próprias da infância: enorme capacidade de aprendizagem e prazer pelas descobertas.

Mini Maternal
Conteúdos
Autonomia:
• Brincadeiras que desenvolvam capacidades importantes como atenção, imitação, memória e imaginação.
• Regras de convivência.
• Uso adequado dos brinquedos.
• Cuidados com o próprio corpo.
• Ações relacionadas a saúde e higiene.
• Comportamento necessário às refeições.
Identidade:
• Construção de vínculos.
• Reconhecimento do eu e do outro.
• Limites do próprio corpo – partes do corpo

Maternal
Conteúdos
Autonomia:
• Realização de pequenas ações cotidianas para adquirir maior independência.
• Iniciativas para pedir ajuda nas situações necessárias.
• Organização do ambiente.
• Expressão e manifestação de  desconforto  relacionado a presença de urina e 
     fezes nas fraldas.
• Controle dos esfíncteres.
• Higiene bucal e lavagem das mãos.

Identidade:
• Valores, hábitos e atitudes para convivência em grupo.
• Identificação das partes do corpo.

Infantil
Conteúdos
Autonomia:
• Rotina diária, representadas por linguagem gráfica como desenho ou escrita.
• Comunicação  e  expressão  de   seus  desejos,  desagrados,     necessidades,
     preferências e vontades em brincadeiras e atividades cotidianas.
• Responsabilidade com seus pertences.
• Identificação de situações de risco no seu ambiente.
• Interesse em provar novos alimentos e comer sem ajuda.

Identidade:
• Aceitação das diferenças e respeito às diversidades.
• Reconhecimento progressivo do próprio corpo.


Disciplina : Natureza e Sociedade 
Objetivos: Conhecer e explorar o ambiente, interessando-se e demonstrando curiosidade pelo espaço que os rodeiam, estabelecendo relações entre o seu modo de vida e de outros grupos, entre o meio ambiente e diversas formas de vida existentes, tendo em vista sua identidade e autonomia, inserindo o educando no contexto de um ser social, participativo e transformador, respeitando e valorizando sua cultura de origem e de outros grupos.

Infantil I
Conteúdos
• Ampliação  do  repertório  de  conhecimentos  a  respeito do  mundo  social   e 
    natural.
• Contato com pequenos animais e plantas.
• Conhecimento  do  próprio  corpo  por  meio do  uso  e  da  exploração de suas
     habilidades físicas, motoras e perceptivas.
• Participação em  atividades  que  envolvam  histórias,  brincadeiras,   jogos   e
     canções  que digam respeito as tradições culturais da sua comunidade e outros.
• Observação  da  paisagem  local  e  atitudes  de manutenção e preservação dos
     espaços coletivos e meio ambiente.

Infantil II
Conteúdos
• Formulação de perguntas.
• Participação ativa na resolução de problemas.
• Registro  de  informações  utilizando  diferentes formas: desenhos, textos orais
    ditados pela professora.
• Reconhecimento de  alguns papéis sociais existentes em seu grupo de convívio,
    dentro e fora da escola.
• Participação de atividades que envolvam processos de confecção de objetos.
• Reconhecimento  de  algumas  características  de   objetos   produzidos     em
    diferentes épocas e por diferentes grupos sociais.
• Conhecimento  dos  cuidados básicos de pequenos animais e vegetais por meio
    de sua criação e cultivo.
• Valorização de atitudes relacionados a saúde e bem estar individual e coletivo.
• Fenômenos da natureza.
• Astronomia – Sistema Solar.

Disciplina: Psicomotricidade
Objetivos: A psicomotricidade contribui de maneira expressiva para a formação e estruturação do esquema corporal e tem como objetivo principal incentivar a prática do movimento em todas as etapas da vida de uma criança. Por meio de atividades as crianças, além de se divertirem, criam, interpretam e se relacionam com o mundo em que vivem. Tem a finalidade de auxiliar no desenvolvimento físico mental e afetivo da criança com o propósito de um desenvolvimento saudável.

Mini Maternal
Conteúdos
• Atividades  que  estimulem  movimentos como: andar, engatinhar, rolar, sentar,
    pular, andar em fila.
• Partes do corpo.
• Reconhecimento do espaço que ocupa na escola.
• Noções de situações.
• Noções de posição.
• Progressão de altura.

Maternal
Conteúdos
• Coordenação motora gerando gestos harmônicos e equilíbrio.
• Noções corporais.
• Reconhecimento dos sentidos através de atividades diversas.
• Percepção do espaço que ocupa e o que o compõem.
• Noções de formas.
• Noções de qualidade.
• Atividades de triagem.
• Coordenação motora trabalhando movimentos com as mãos.

Infantil
Conteúdos
• Coordenação motora com gestos harmônicos e equilíbrio.
• Percepção das partes do corpo.
• Reconhecimento através dos sentidos.
• Noções de formas.
• Noções de qualidade.
• Percepção das formas não geométricas.
• Coordenação motora trabalhando movimentos com as mãos.

Infantil I
Conteúdos
• Noções corporais.
• Reconhecimento tátil.
• Reprodução de posições simples.
• Discriminação visual.
• Associação de objetos a partes do corpo.
• Lateralidade.
• Jogos cantados.
• Noção espacial.
• Orientação e memória espacial.

Infantil II
Conteúdos
• Noção corporal.
• Organização – espaço temporal.
• Previsão de gesto.
• Mímicas.
• Lateralidade.
• Aquisição da direção gráfica.
• Relações espaciais.
• Noção temporal.
• Preensão do lápis.
• Trabalhos em plano horizontal e vertical.


Disciplina : Estrutura Lógica –Matemática
Objetivos: Estabelecer aproximações e algumas noções matemáticas presentes no cotidiano da criança. Reconhecer e valorizar os números, comunicar ideias matemáticas e hipóteses. Ter confiança em suas próprias estratégias e na sua capacidade para lidar com situações matemáticas novas, utilizando seus conhecimentos prévios. Portanto, o trabalho com a matemática pode contribuir para a formação de cidadãos autônomos, capazes de pensar por conta própria, sabendo resolver problemas.

Mini Maternal
Conteúdos
• Cores primárias.
• Jogos com blocos de montar.
• Rotina.
• Noção espacial.
• Compartilhamento.

Maternal
Conteúdos
• Cores primárias.
• Números de 1 a 10.
• Rotina.
• Grandezas.
• Texturas.

Infantil
Conteúdos
• Cores primárias e secundárias.
• Números de 1 a 10.
• Noção temporal.
• Grandezas.
• Noção espacial.
• Texturas.
• Formas geométricas.
• Jogos lógicos: cores. Números, memória e quebra-cabeça.

 

Infantil I
Conteúdos
• Números de 1 a 20.
• Jogos lógicos.
• Classificação, seriação e agrupamento de objetos.
• Números no cotidiano.
• Formas geométricas: círculo, quadrado, retângulo e triângulo.
• Número e quantidade.
• Noção espacial.
• Noção temporal.
• Formas retas e curvas.

Infantil II
Conteúdos
• Números de 1 a 50.
• Classificação e seriação de objetos.
• Sequências lógicas.
• Relação número e quantidade.
• Noção temporal.
• Grandezas e medidas.
• Reconhecimento de cédulas e moedas utilizadas no país.
• Figuras geométricas planas: quadrado, retângulo, círculo e triângulo.
• Sólidos geométricos: cone, cubo, paralelepípedo, esfera e pirâmide.
• Lateralidade.
• Adição e subtração.


Disciplina: Linguagem Oral e Escrita
Objetivos: Participar de situações diversas de comunicação oral, para interagir e expressar desejos, necessidades e sentimentos por meio da linguagem oral. Familiarizar-se com a escrita por meio do manuseio de livros, revistas e outros portadores de texto e da vivência de diversas situações nas que seu uso se faça necessário. Interessar-se por escrever palavras e textos ainda que não de forma convencional e escolher livros para ler e apreciar.

Mini Maternal
Conteúdos
• Uso da linguagem oral: roda de conversa.
• Histórias Infantis.
• Músicas Infantis.
• Sons de animais.


Maternal
Conteúdos
• Expressão oral: Ampliação de vocabulário.
• Histórias Infantis.
• Músicas Infantis.
• Utilização de palavras e frases com clareza.
• Imagens e símbolos do cotidiano.

Infantil
Conteúdos
• Expressão oral: ampliação do vocabulário.
• Observação e manuseio de materiais impressos como livros e revistas.
• Participação em situações de leitura de diferentes gêneros feita por adultos: contos, poemas, quadrinhas e parlendas.
• Linguagem escrita.
• Músicas e cantigas de roda.

Infantil I
Conteúdos
• Expressão oral: articulação correta das palavras e objetividade nos relatos.
• Histórias Infantis: “Recontos”.
• Textos de tradução cultural.
• Linguagem escrita.
• Valor social da escrita.

Infantil II
Conteúdos
• Expressão oral.
• Jogos verbais.
• Valorização da escrita como fonte de prazer e entretenimento.
• Histórias Infantis: “Reconto”.
• Linguagem escrita: Alfabeto e seus respectivos sons.
• Escrita espontânea.

Disciplina: Expressão Musical
Objetivos: A música é a linguagem que se traduz em formas sonoras capazes de expressar e comunicar sensações, sentimentos e pensamentos, por meio da organização e relacionamento expressivo entre o som e o silêncio.
A integração entre os aspectos sensíveis, afetivos, estéticos e cognitivos, assim como a promoção de interação e comunicação social, conferem caráter significativo à linguagem musical.
É uma das formas importantes de expressão humana, o que por si só justifica sua presença no contexto da educação e particularmente na Educação Infantil.

Mini Maternal
Conteúdos
• Reconhecimento do  próprio  corpo e  das  diferentes sensações e ritmos que
    produz.
• Escuta de músicas variadas.

Maternal
Conteúdos
• Participação em brincadeiras e jogos cantados.
• Escuta de músicas sem texto (instrumental).
• Som dos animais.

Infantil
Conteúdos
• Exploração de materiais diversificados que produzam sons.
• Escuta de obras musicais.
• Participação em situações que integrem músicas e movimentos corporais.
• Sons da natureza.
• Fontes sonoras – instrumentos musicais da bandinha rítmica.


Disciplina: Música
Objetivos: A música é a linguagem que se traduz em formas sonoras capazes de expressar e comunicar sensações, sentimentos e pensamentos, por meio da organização e relacionamento expressivo entre o som e o silêncio.
A integração entre os aspectos sensíveis, afetivos, estéticos e cognitivos, assim como a promoção de interação e comunicação social, conferem caráter significativo à linguagem musical.
É uma das formas importantes de expressão humana, o que por si só justifica sua presença no contexto da educação e particularmente na Educação Infantil.

Infantil I
Conteúdos
• Exploração, expressão e produção do silêncio e de sons com a voz, o corpo, os entornos e materiais sonoros diversos.
• Participação em brincadeiras e jogos cantados e ritmos que envolvam a dança e a improvisação musical.
• Escuta de obras musicais de diversos gêneros, estilos, épocas e culturas, da produção musical brasileira a de outros povos e países.
• Fontes sonoras - instrumentos musicais da bandinha rítmica.


Infantil II
Conteúdos
•    Interpretação de músicas e canções diversas.
• Reconhecimento  e  utilização  expressiva,   em     contextos   musicais    das
     diferentes características geradas pelo silêncio e pelos sons:
• Altura: graves e agudos.
• Duração: curtos e longos.
• Intensidade – fracos ou fortes.
• Timbre – característica que distingue e personaliza cada som.
• Reconhecimento de elementos musicais básicos: frases, partes e elementos que se repetem.
• Informações sobre obras musicais e seus compositores.
• Músicas eruditas, popular, do cancioneiro infantil e da música regional.
• Construção de instrumento.

Disciplina: Movimento
Objetivos: O movimento humano é mais do que simples deslocamento do corpo no espaço; constitui-se em uma linguagem que permite as crianças agirem sobre o meio físico e atuarem sobre ambiente humano. As maneiras de andar, correr, arremessar, saltar resultam das interações sociais e das relações com o meio. Ao brincar, jogar, imitar e criar ritmos e movimentos, a criança amplia os conhecimentos acerca de si mesmos e do meio em que vivem.
O trabalho com o movimento contempla assim a multiplicidade de funções e manifestações do ato motor, propiciando um amplo desenvolvimento da motricidade, bem como atividades voltadas para a ampliação da cultura corporal.

Mini Maternal
Conteúdos
• Manipulação de materiais.
• Brincadeiras de roda.
• Circuito de habilidades.
• Expressão corporal.
• Coordenação.
• Equilibrio.

Maternal
Conteúdos
• Manipulação de materiais.
• Brincadeiras e cantigas de roda.
• Socialização.
• Aula estoriada.
• Atividades rítmicas e expressivas.
• Conhecimento sobre o corpo.
• Coordenação e equilíbrio.

Infantil
Conteúdos
• Conhecimento sobre o corpo.
• Expressão corporal.
• Circuito de habilidades.
• Socialização.
• Jogos.
• Atividades rítmicas e expressivas.
• Aula estoriada.
• Orientação espaço temporal.
• Brincadeiras de roda.

Infantil I
Conteúdos
• Habilidades motoras.
• Jogos com bola.
• Socialização.
• Jogos corda e bambolê.
• Atividades rítmicas e expressivas.
• Jogos coletivos.
• Velocidade.

Infantil II
Conteúdos
• Habilidades motoras.
• Jogos individuais.
• Socialização.
• Jogos coletivos.
• Atividades rítmicas e expressivas.
• Velocidade, equilíbrio, força.
• Orientação espaço temporal.
• Jogos e competições entre 2 times.
• Resistencia, agilidade, flexibilidade.

Disciplina: Artes Visuais
Objetivos: As artes visuais são uma ferramenta importantíssima no âmbito da Educação Infantil, representando um estímulo essencial em várias etapas do desenvolvimento. Através das Artes, as crianças trabalham a sua criatividade e imaginação, e conseguem adquirir novas habilidades e novas formas de olhar o mundo.
As artes valorizam e desenvolvem a realização pessoal, o prazer, o equilíbrio, a alegria, a paz, a compreensão, a confiança, a reciprocidade e a identificação com o outro. Conduzem as crianças a conhecerem suas limitações, dificuldades e possibilidades de desenvolver, explorar e conhecer suas potencialidades, colaborando assim, no crescimento nos diferentes campos do saber.

Mini Maternal
Conteúdos
• Manipulação de diferentes objetos e materiais.
• Exploração de movimentos gestuais.
• Observação de imagens diversas.

Maternal
Conteúdos
• Manipulação de diferentes objetos.
• Exploração das características e possibilidades dos materiais.
• Cuidado com o próprio corpo e dos colegas no contato com os materiais.
• Observação e identificação de imagens.

Infantil
Conteúdos
• Manipulação de materiais.
• Exploração e reconhecimento de diferentes movimentos gestuais, visando a produção gráfica.
• Cuidado com os materiais e trabalhos produzidos.
• Conhecimento das possibilidades de uso dos materiais.

Infantil I
Conteúdos
• Criação de  desenhos,  pinturas,  colagens,  modelagens a partir de seu próprio
     repertório.
• Exploração e  utilização  de   alguns procedimentos necessários para  desenhar,
     pintar, modelar.
• Aprofundamento das possibilidades oferecidas pelos diversos materiais.
• Organização e cuidado com os materiais no espaço físico da sala.

Infantil II
Conteúdos
• Criação de desenhos, pinturas, colagem, modelagem através da utilização dos elementos da linguagem das Artes Visuais: ponto, linha, forma, cor, volume, espaço, textura, contraste e luz.
• Exploração dos espaços bidimensionais e tridimensionais.
• Valorização das suas próprias produções e dos colegas.
• Leitura de obras de arte a partir da observação, narração, descrição e interpretação de imagens e objetos.
• Desenhos a partir de observação.


Disciplina: Inglês
Objetivos: Hoje sabemos o quanto o inglês é a língua de referência para a comunicação e está presente nas lojas, músicas, internet, programas. Desta forma, proporcionar às crianças a aproximação gradativa desta segunda língua, de forma responsável e adequada a faixa etária, garante a ampliação das potencialidades e de seu desenvolvimento cognitivo.
Ter contato com uma segunda língua, desde a primeira infância, abre uma janela maior de oportunidades, uma vez que a criança passará a ter mais facilidade em aprender outras línguas durante toda sua vida escolar e adulta.

Maternal
Conteúdos
• Saudações: Hello, Bye.
• Palavras de regras de convivência: Please, thank you.
• Comandos: sit down, stand up, listen, pay attention.
• Cores: red, yellow, green, blue.
• Música.

Infantil
Conteúdos
• Saudações: hello, good morning, good afternoon.
• Comandos: Ready, listen, wait, look at me.
• Cores: red, yellow, green, blue, orange.
• Números de 1 a 10.
• Vocabulário frutas e bebidas: apple, orange, pear, plum, atrawberry, milk, water, juice.
• Música.

Infantil I
Conteúdos
• Saudações: hi, hello, good morning, good afternoon.
• Comandos: Ready, listen, wait, look at me.
• Cores: red, yellow, green, blue, orange, purple, pink, black, white, brown.
• Números de 1 a 10.
• Vocabulário frutas, animais do mar, membros da família.
• Música.


Infantil II
Conteúdos
• Saudações: hi, hello, good morning, good afternoon, good afternoon, How are you, I’m fine.
• Comandos: Ready, listen, wait, look at me, stand up, sit down.
• Vocabulário: partes da casa, partes do corpo, cores, alimentos.
• Música.

7 – Princípios e Práticas Pedagógicas do Ensino Fundamental

      7.1- Currículo
A organização do currículo reflete a intencionalidade do Projeto Pedagógico e da prática educativa da escola. Ele é o norte que sustenta a prática pedagógica mediada pelo professor e desenvolvida pelos alunos nos diferentes espaços educativos. Também reflete a política educacional da escola e acompanha a dinâmica da produção da sociedade. Deve ser sempre revisto, atualizado, sem, no entanto, abandonar o que é imprescindível à educação dos alunos. Deve conter os conteúdos abordados, a metodologia, a relação professor/aluno e as avaliações. O currículo oferece uma visão de conjunto: histórica e disciplinar na ordem lógica e rígida. Ele tem como fundamento uma teoria que oferece base de concepção de educação do coletivo da escola, para “ver a realidade”. O currículo tem em vista os princípios democráticos e as leis de Diretrizes e Bases da Educação para a formação da cidadania de maneira plena e crítica e assim abranger as diferenças sociais.
O Colégio como ambiente social tem um duplo currículo, o explícito e o formal, o oculto e informal, onde o momento histórico, a sociedade e a relações com o conhecimento determinam esse currículo.

       7.1.1- Objetivo e Conteúdo
Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) não são conclusivos com relação aos conteúdos a serem estudados, deixando abertas possibilidades, indicando diversas capacidades, que devem ser trabalhadas ao longo dos anos.
Com tantas mudanças na área da Educação, surgem dúvidas sobre os conteúdos, mas eles continuam existindo sendo, trabalhados de forma diferente, dando-lhes significado, constituindo o ensino contextualizado. Por meio de situações-problema, os conteúdos são levantados à medida que são gerados conflitos, motivando os alunos e desafiando-os a resolver problemas concretos, não trabalhando o conteúdo apenas pelo conteúdo, alcançando os objetivos propostos em cada ciclo.

Séries Iniciais – 1º ao 5º ano

Disciplina: Português
1º ano - Objetivos gerais: Desenvolver a comunicação oral e escrita. Perceber o valor social da escrita e os contextos diferenciados. Transformar ideias em escritas, arriscar-se em escritas não convencionais e aproximar-se gradativamente da escrita convencional. Valorizar a língua como instrumento necessário à convivência humana.

Conteúdo
• Alfabeto.             
• Conhecer o alfabeto e a ordem alfabética.
• Conhecer consoante e vogal.
• Escrita espontânea de palavras e frases.
• Composição de palavras.
• Desenvolvimento da capacidade de expressão oral (recitar parlendas e trava-línguas).
• Conceito de sílabas.
• Análise do efeito da troca de posição da sílaba na palavra.
• Escrita de palavras, frases e pequenos textos.                                          
• Gêneros textuais: poesias, histórias em quadrinhos, rimas, textos narrativos e publicitários.
• Letra cursiva: Fazer o traçado correta da letra cursiva.

2º ano - Objetivos gerais: Instrumentalizar-se no uso da linguagem, valorizando as diferentes manifestações para tornar-se essencialmente humano transformador.

Conteúdo
• Narrativa, bilhete, textos expositivos, cartão, relatos de experiências vividas, textos argumentativos, preenchimento de fichas, enquete, ilustração de textos, propaganda de viagens turísticas, cartão postal.
• Entrevista, relato de experiência vivida, história em quadrinhos, texto instrucional, propaganda, cartas de solicitação, traçado das letras.
• Ordem alfabética, reescrita e aprimoramento de textos, atividade com linguagem figurada na narrativa poética (metáfora), polissemia (múltiplos sentidos), comparação de textos (prosa e poesia), letra maiúscula e minúscula, uso de vírgula, aumentativo e diminutivo, substantivo e adjetivos, verbos, uso do dicionário e contextualização de palavras, rimas, papel do narrador, sinais de pontuação, substantivo próprio e comum, dígrafos, sinônimos e antônimos, jogos ortográficos.
• Parágrafo, sílaba, verbo, letra cursiva, traçado da letra cursiva, sinais de pontuação nos diálogos, ponto de interrogação e exclamação, aspas, reticências, sinônimo, práticas de leitura oral.


3º ano – Objetivos gerais: Desenvolver a comunicação e expressão através da leitura, interpretação e produção de textos orais ou escritos e também de imagens que representem fatos, experiências e opiniões.

Conteúdo
• Narrativa, reportagem, diário, cartaz, carta, HQs, pontuação (exclamação e interrogação); ordem alfabética; adjetivos, sinônimos dicionário, onomatopeias, reescrita de textos.   
• Ortografia e caligrafia (M e N em final de sílaba/M antes de P e B); (o uso S, SS e Ç); (sons do X); (uso do J e G); (sílabas complexas).
• Texto informativo e opinativo; concordância de gênero e número; texto poético; narrativa de ficção; reportagem; pontuação; cartaz; produção e reescrita de textos; artigos definidos e indefinidos; substantivos concretos e abstratos. Narrativa: contos de fadas e seus elementos.
• Paráfrase. Substantivo. Adjetivo.
• Pontuação: uso de dois-pontos e travessão nos diálogos. Parágrafos. Como evitar a repetição no texto. Produção e reescrita de textos.
• Texto informativo. Reportagem. Canções.
• Substantivo simples e composto. Pesquisa em biblioteca e na internet. Substantivo coletivo.

4º ano – Objetivos gerais: Adquirir formas linguísticas capacitando o aluno a adquirir cada vez melhor suas ideias, lendo com maior autonomia, posicionando-se criticamente diante de valores veiculados pelos textos, bem como aprender noções gramaticais.
Conteúdo
• Expressão de sentimentos e lembranças; Comentários e discussões sobre textos, fotos, imagens e acontecimentos; Conversas e temas; Relatos de experiências; Entoação de canções; Dramatizações.
• Registro a partir de questões interpretativas e de extrapolação; Localização e registro de informações; Textos opinativos; Entrevistas; Reportagens; Narrativa de fatos vividos ou imaginados; Ilustração de textos; Poemas sobre a vida familiar; Registros: linha do tempo. Árvore genealógica; Textos biográficos e autobiográficos; Confecção de livro de história.
• Interpretação de textos.
• Narrativas (literatura infantil) - Reportagem e matéria de revistas; - Textos jornalísticos, expositivos, explicativos, enciclopédicos; - Histórias em quadrinhos; - Narrativas míticas;
• Registro a partir de questões interpretativas e de extrapolação;
• Pontuação e ortografia; Dicionário: contextualização e sinônimos; Marcadores de tempo nos relatos; Função do texto publicitário; Estrutura geral da carta; Função da reportagem; Comparação: texto explicativo/ mítico; Caracterização de personagens; Organização da opinião: argumentos e conclusão. Organização do texto biográfico; Uso das aspas; Balões das histórias em quadrinhos; Pronome; Sumário; Concordância verbal e nominal; Uso do parágrafo; Jogos ortográficos e gramaticais.
• Sinônimos e antônimos; Elementos da narrativa (ambiente/ suspense); Poema e narrativa (prosa e verso); Estudo de personagens (protagonista, antagonista, secundário); Discurso direto e indireto; Travessão; Verso livre; - estrutura da fábula; Uso do parágrafo; Pronomes pessoais; ortográficos e Sílaba tônica.

5º ano – Objetivos gerais: Adquirir e valorizar a norma padrão da língua portuguesa oral e escrita, expressando ideias próprias com clareza; realizando leituras fluentes e produzindo textos coerentes e coesos, demonstrando interesse e autonomia.
Conteúdo
Linguagem oral e escrita: leitura, interpretação e produção de textos jornalísticos- artigos, manchetes, notícias, críticas, classificados, e- mails, catálogos, entrevistas, cartas e história em quadrinhos.
• Leitura e interpretação: textos verbais.
• Uso do dicionário: sinônimos, antônimos e homônimos- consultas e registros pertinentes.
• Concordância verbal e nominal: reflexões sobre o uso apropriado.
• Gramática e ortografia: novas regras.
• Pontuação.
• Uso de aspas.
• Linguagem formal e informal.   
• Linguagem oral e escrita: descrições de personagens e contextos, recontos, narrativas, resumos (sinopses), biografias e críticas.
• Leitura e interpretação: textos (verbais / não verbais).
• Uso do dicionário: sinônimos, antônimos e homônimos- consultas e registros pertinentes.
• Concordância verbal e nominal: reflexões sobre o uso apropriado.
• Gramática e ortografia: novas regras, adjetivos, pronomes pessoais (caso reto e oblíquo).
• Classificação de palavras quanto ao número de sílabas e sílaba tônica.
• Acentuação gráfica.
• Analisar diferentes gêneros de filmes.
• Linguagem oral e escrita: folhetos, cartazes, textos dramáticos, contos, crônicas e folguedos.
• Linguagem corporal: comunicação através de gestos, mímicas e expressões faciais.
• Uso do dicionário: consultas e registros pertinentes.
• Gramática e ortografia: preposições, conjunções, conjugações verbais, linguagem formal e não formal.
• Cartaz publicitário.
• Registro de pesquisas.
• Crônica.
• Poesia.

Disciplina: História
1º ano - Objetivos gerais: Estabelecer relações entre tempo e espaço percebendo-se como sujeito ativo e transformador.

Conteúdo
Eu e meus amigos:
• Diversidade cultural.
• História de vida: identidade pessoal.
Família:
• Identidade e família: quem sou eu?
• Nome e sobrenome.
Conhecendo minha cidade:              
• Pesquisar sobre a história da sua cidade.
Conhecimentos populares brasileiros:
• Brincadeiras antigas /atuais – resgate.

                                    
2º ano - Objetivos gerais: O estudo de História desenvolve habilidades que visam promover a compreensão da história como processo constante de construção e reconstrução do passado e não apenas a memorização. Interpretar o próprio mundo, libertando-se de uma atitude passiva, despertando o espírito crítico e o senso de cidadania.

Conteúdo
• Fases da vida.
• Diferentes fases da vida.
• Diversidade dos modos de brincar no tempo e no espaço.
• Hino Nacional e da Bandeira.
• Carnaval.
• Páscoa.
• Calendário.
• Moradias.
• Escola.
• Hino Nacional e da Bandeira.
• Rua.
• Bairro.


3º ano – Objetivos gerais: Estudar a diversidade social e cultural da sociedade brasileira, por meio do estudo de sociedades indígenas, africanas e latino-americanas; conhecer elementos culturais dessas sociedades, que habitam regiões próximas e distantes de onde elas vivem; de épocas atuais e de outros tempos.

Conteúdo
• Diferentes cidades, diferentes formas de viver:
  -Vivendo junto na cidade.
  - As cidades e seus problemas: passado e presente.
• Cidades na história e histórias na cidade:
  - História de cidades.
  - Preservar o passado.
• Cidade, cidadão, cidadania:
  - Viver junto.
  - Viver junto, organizar-se e participar. .
• Práticas de cidadania: o que a gente quer para a nossa vida?
  - Outro jeito de participar.
  - Muita gente, muitas escolhas.


4º ano - Objetivos gerais: Contribuir para a formação do pensamento histórico do aluno, procurando ampliar sua percepção de estar em um mundo construído nas relações sociais.

Conteúdo
• Processo e produção da laranja.
• Processo e produção do sal.
• Antigas Profissões e profissões atuais
• Ofícios e profissões
• Os trabalhadores se unem: movimentos trabalhistas.
• A história dos imigrantes e o sonho de uma vida melhor.
• Outras histórias de imigrantes: festejos, temperos, esportes e artes.
• Migração e diversidade cultural.


5º ano - Objetivos gerais: Contribuir para o pensamento histórico e geográfico do aluno, procurando ampliar sua percepção de estar em um mundo construído nas relações sociais. Conhecer, refletir, discutir e argumentar sobre fatos históricos de seu país, a fim de construir uma sociedade mais justa para todos.

Conteúdo
• Antes de o Brasil ser Brasil/Muitas culturas: diferentes formas de viver e
entender o mundo:       
-O povoamento da América.
-Estreito de Bering: um caminho muito gelado.
-Povoamento do Brasil.
-Jeitos de ser e viver do indígena brasileiro.
-Diferenças e semelhanças entre os diversos povos indígenas.
- Navegar é preciso.
- Em buscas de riquezas.
- A expansão marítima portuguesa e as tecnologias da navegação.
- As navegações portuguesas.
-As navegações espanholas.
-A viagem de Cabral.
- Diferentes povos, diferentes visões de mundo.
-Os portugueses no Brasil.
-Trabalho e catequese.
- Resistência indígena.
-Presente e passado.
• Trabalho escravo no  Brasil colonial:
-Trabalhadores africanos escravizados.
-Colônias e metrópoles.
- Índios e africanos escravizados nas lavouras de cana-de-açúcar
- Da África para o Brasil.
- Ser escravo.
- O trabalho no engenho.
- Outros trabalhos realizados por escravos.
- Histórias de luta pela liberdade.
- Violência sem fim.
- Quilombo dos Palmares.
- Outros “Zumbis”.
• Brasil, Brasis;
- Lutas de liberdade.
- No campo das leis
- Na imprensa.
- Depois da abolição.
- Racismo é crime.
- Ubuntu.
- Línguas e linguagens.
- Festas, danças e ritmos.
- Baobá: uma árvore, um símbolo.
      - Brincadeiras. 

Disciplina: Geografia  
1º ano - Objetivos gerais: Estabelecer relações entre tempo e espaço percebendo -se como sujeito ativo e transformador.
Conteúdo
Minha escola.
• A escola: nosso segundo lar – amigos, lugares, (brincadeiras e funcionários).
Moradia:
• Importância de ter uma casa.
• Saber conviver com pessoas que moram em prédios, diferentes espaços.                                                                                           
Trânsito:
• Quais os meios de transporte de sua cidade?             
• Quantidades de ruas e semáforos.

2º ano – Objetivos gerais: o estudo de Geografia desenvolve habilidades que visam identificar e diferenciar paisagens. Diferenciar noções culturais e naturais, fenômenos sociais característicos de cada paisagem. Perceber o caráter processual e dinâmico da constituição da paisagem, utilizar a linguagem cartográfica para representar e interpretar informações, reconhecer, em seu cotidiano os referenciais espaciais de localização, orientação e distância de modo a deslocar-se com autonomia e representar os lugares onde vivem e se relacionam. Observar e descrever as diferentes formas pelas quais a natureza se apresenta na paisagem local, produzir mapas ou roteiros simples considerando características da linguagem cartográfica como as relações de distância e direção e o sistema de cores e legenda. Leitura inicial de mapas, políticos, atlas e globo terrestre, construir diferentes tipos de mapa, leitura e compreensão das informações expressas em linguagem cartográfica e em outras formas de representação do espaço, como fotografias aéreas, plantas e maquetes.
Conteúdo
• Identidades.
• Como são as casas.
• Pontos de referência da paisagem local – Endereço.
• Tempo cronológico e tempo meteorológico.
• Tipos de escolas.
• Divisão do espaço e localização.
• Construção de maquete.
• Serviços locais.
• Municípios, estado e país.
• Transporte e comunicação local.
3º ano – Objetivos gerais: contribuir para a formação dos alunos ao fornecer-lhes um conjunto de saberes capazes de servir como instrumental teórico de interpretação do mundo, para melhor apreendê-lo e nele atuar. Ajudando a construir habilidades espaciais e cartográficas que possibilitem ler o espaço concreto como suas representações.
Conteúdo
• As mudanças na paisagem:
   - Transformações da paisagem.
  - Sol e chuva. Frio e calor.
  - As diferentes paisagens do campo e da cidade.

• Campo e cidade:
  - Diferenças, semelhanças e relações entre o espaço urbano e espaço rural.
• Os elementos da natureza:
   - Superfície e formas da Terra.
   - Vegetação e cursos d`água.
• Os elementos da natureza e o trabalho:
   - O trabalho.
   - Geração e consumo de energia.
4º ano – Objetivos gerais: contribuir para a formação do pensamento histórico e geográfico do aluno, procurando ampliar sua percepção de estar em um mundo construído nas relações sociais. Construir os conceitos e desenvolver as habilidades espaciais, necessárias a alfabetização cartográfica e geográfica.
Conteúdo
• A Terra: Continente e oceanos.
• Países: divisão política da superfície terrestre.
• Os movimentos no interior da Terra.
• Orientando mapas.
• Coordenadas geográficas.
• Como são os mapas.
• Para ler os mapas.
5º ano – Objetivos gerais: contribuir para o pensamento histórico e geográfico do aluno, procurando ampliar sua percepção de estar em um mundo construído nas relações sociais. Conhecer, refletir, discutir e argumentar sobre fatos históricos de seu país, a fim de construir uma sociedade mais justa para todos.
Conteúdo
• Brasil/Território e regiões brasileiras:     
  - Uma visão panorâmica do Brasil.
  - Geografia do Brasil.
  - A formação do território brasileiro.
  - As diversas regiões do Brasil.
• População brasileira:
  - Traçando o perfil do povo brasileiro.
  - De onde eles vieram?
• O Brasil e o mundo:
  - A América do Sul.
  - As relações do Brasil com o mundo.


Disciplina: Ciências

1º ano - Objetivos gerais: Compreender a ciência através de experiências e vivências que possibilitarão a troca de informações e ampliação da visão de mundo.
Conteúdo
Cuidados e higiene pessoal:
• Corpo humano (membros, órgãos).  
• Dentição.
Meio Ambiente:
• Seres vivos e não vivos;
Tempo meteorológico.
Água:    
• Entender a importância da água em nossas vidas.                                                                                   

2º ano - Objetivos gerais: o estudo de Ciências visa desenvolver as habilidades relativas à investigação, tais como observar, levantar hipóteses, medir, comparar, tirar conclusões. Desenvolver as competências cognitivas em três níveis: básico, operacional e global, auxiliando o aluno a descobrir fatos do mundo natural e da tecnologia, a saber fazer investigações e, consequentemente, a compreender e explicar fenômenos relativos à vida, à energia e aos materiais.

Conteúdo
• A natureza da Ciência.
• Tecnologia.
• Animais e plantas.
• Seres vivos.
• Materiais da Terra.
• Sistema Solar.
• Matéria.
• Energia.
• Movimento e força.


3º ano - Objetivos gerais: Proporcionar momentos onde o aluno desperte a curiosidade e vivencie situações-problema sobre o conhecimento científico estabelecendo relações entre elas e o conhecimento já construído ao longo da história.

Conteúdo
• Ciências e tecnologia/ Ciências da vida:       
- A natureza da ciência.
- Tecnologia e projetos.
- Plantas e animais.
- Vida e ambiente.
• Ciências da Terra:
- Materiais da Terra.
     - A Terra e o Universo
• Ciências físicas:
- Materiais.
- Energia e suas formas.


           4º ano - Objetivos gerais: identificar relações entre conhecimento científico, produção de tecnologia e condições de vida, no mundo de hoje e em sua evolução histórica.

Conteúdo
• A natureza da Ciências.
• Tecnologia e projetos.
• Plantas e animais.
• Recursos da Terra.
• A Terra e o Espaço.
• Materiais.
• Eletricidade.
• Movimento.

5º ano - Objetivos gerais: identificar relações entre o conhecimento científico, produção de tecnologia e condições de vida no mundo de hoje e em sua evolução histórica.

Conteúdo
• O corpo humano:
  - Crescimento e sobrevivência;
  - Corpo humano;
  - Ecossistemas.

• Recursos da Terra:
  - A Terra e seus recursos;
  - A Terra e o espaço;
  - A natureza da Ciência.

• Projetos de tecnologia/ Ciências físicas:    
  - Transformação de materiais;
  - Força e energia.

 

Disciplina: Matemática

1º ano - Objetivos gerais: Instrumentalizar-se com técnicas específicas da matemática, estimular a própria criatividade vivenciando situações-problema, valorizar as próprias ideias e a compreensão partindo dos conhecimentos prévios.
Conteúdo
• Leitura e escrita dos números até 100. Leitura, escrita, comparação e ordenação de números até 100.
• Noção espacial.
• Localização do próprio corpo no espaço com base em um ou dois pontos de referência e algumas indicações de posição com compreensão do vocabulário usual pertinente: proximidade (longe/perto); orientação (na frente, atrás, acima, abaixo); interioridade (dentro, fora, aberto, fechado).
• Situações-problema.                                                                                                                                     
• Unidade de tempo.
• Identificação de unidades de tempo, como ano e semestre, e utilização de calendários.
• Relação entre unidades de tempo: dias, semanas, meses e anos.         
• Comparação de grandezas de mesma natureza (comprimento, massa, capacidade) por meio de experimentos e estratégias pessoais e pelo uso de unidades de medida e instrumentos não convencionais.
• Utilização de diferentes estratégias para quantificar elementos de uma coleção, como contagem, emparelhamento e estimativa.  
• Observação de critérios que definem uma classificação de números (maior que/menor que//; terminados em, estar entre.) e de regras usadas em seriações.
• Percepção de tempo e espaço. Localização de objetos no espaço com base em um ou dois pontos de referência e algumas indicações de posição com compreensão do vocabulário usual de posição.
• Números pares e ímpares.  Identificação de números pares e de números ímpares.
• Formas geométricas e sólidos geométricos.
• Sistema monetário/Moeda brasileira: Real. Reconhecimento de cédulas e moedas que circulam no Brasil.

2º ano - Objetivos gerais: Instrumentalizar-se com técnicas específicas da matemática, estimular a criatividade, vivenciar situações-problema, valorizar as próprias ideias e a compreensão.

Conteúdo
Números e Operações -Identificação de regularidades na leitura e escrita de números até 150.
• Contagem de números de 10 em 10, 5 em 5.
• Comparação e ordenação de números até 150.
• Identificação de usos sociais do número.
• Identificação de metade e dobro.
• Escrita, comparação, e ordenação de números.
• Números pares e ímpares.
• Identificação de alguns recursos de cálculo mental em adição e subtração: somas dez, decomposição.
• Fatos fundamentais da adição.
• Adição, subtração e operações inversas.
• Resolução de situações- problema envolvendo adição e subtração relacionadas às ideias de transformação e combinação.
• Recursos de cálculo mental: Decomposição, soma de dezenas exatas; uso das somas dez para cálculo com números maiores que dez.
• Soma de dezenas exatas.
• Comparação e ordenação de números até 199.
• Interpretação e resolução de situações-problema envolvendo o significado da multiplicação como adição de parcelas iguais.
• Uso dos sinais convencionais x e = na escrita da operação multiplicação e uso do termo produto.
• Resolução de situações-problema envolvendo a multiplicação associada a ideia de comparação entre razões.
• Identificação de relações entre multiplicação e divisão associadas à ideia de comparação entre razões.
• Uso dos sinais convencionais: e = na escrita da operação divisão e uso do termo quociente.
• Relação de adição e multiplicação com representações geométricas.
• Identificação da multiplicação com representação geométrica disposta em linhas e colunas.
• Identificação de relações entre multiplicação e divisão associadas à ideia de configuração retangular.
• Determinação do número de quadrículas de forma retangular por meio da multiplicação.
• Noções de dobro e metade associadas às operações multiplicação e divisão.
• Identificação de que o maior resto possível na divisão é o número antecessor ao do dividendo.
Tratamento da informação: Uso de listas e tabelas simples para registro de informações coletadas
• Leitura e interpretação de informações apresentadas em tabelas de dupla entrada.
• Construção de tabelas de dupla entrada.
• Construção de gráfico de barras simples.
• Coleta e organização de informações em tabelas de dupla entrada.
• Interpretação e construção de tabela de dupla entrada e gráfico de barras simples.
Grandezas e Medidas: Identificação de unidades de medida de comprimento: metro e centímetro.
• Uso da fita métrica.
• Medidas de tempo: semestre, mês.
• Resolução de situações-problema envolvendo medidas de tempo.
• Exploração da reação entre meses e ano, dias e meses.
• Identificação de intervalos em linha do tempo.
• Medidas de tempo: relógios analógico e digital.
• Resolução de situações- problema envolvendo sistema monetário.
• Leitura e registro de horas: meio-dia, meia-noite.
• Medidas de tempo: semestre, mês e dia.
• Registro de horas: relógios analógico e digital.
• Exploração de calendário.
• Identificação do símbolo R$.
• Identificação de unidades de medidas de massa: quilograma e meio quilograma.
• Uso da balança de pratos.
•  Identificação de unidades de medida de capacidade: litro e meio litro.
• Resolução de situações-problema envolvendo o sistema monetário.
Espaço e forma: Localização de elementos no espaço com base em um ou dois pontos de referência.
• Interpretação de mapas e plantas.
• Descrição de trajetos.
• Observação de formas geométricas tridimensionais e de algumas de suas características: paralelepípedo, cubo, pirâmide, cilindro, cone.
• Interpretação e construção de plantas simples.
• Composição e decomposição de formas geométricas bidimensionais: quadrados, retângulos e triângulos.
• Observação de simetrias em objetos e formas geométricas planas.

3º ano - Objetivos gerais: Desenvolvimento de capacidades que favoreçam o desempenho do aluno como cidadão e também para o seu desenvolvimento intelectual, possibilitando a construção do pensamento lógico matemático, a expressão da criatividade, da intuição, da capacidade de análise e de crítica.
Conteúdo
•   Composição, decomposição e comparação de números até 999.
•   Valor absoluto e valor relativo.
•   Antecessor e sucessor.
•   Agrupamentos.
•   Situação problema envolvendo adição e subtração.
•   Propriedade comutativa.
•   Cálculo Mental.
•   Início dos processos da multiplicação.
•   Tabelas, gráficos e legendas.
•   Milhar.
•   Agrupamentos na escrita de números com quatro dígitos.
•   Leitura, escrita, comparação e ordenação de números maiores que 1000.
•   Técnica operatória da adição (sem e com transporte) e da subtração (sem e com recurso).
•   Sistema monetário.
•   Cálculo Mental.
•   Multiplicação e divisão por 10 e por 100.
•   Formas geométricas tridimensionais.
•   Sólidos geométricos.
•   Leitura, escrita, comparação e ordenação de números escritos com quatro dígitos.
•   Valor posicional.
•   Decomposição de números com quatro dígitos.
•   Cálculo Mental envolvendo as quatro operações.
•   Estimativas de distância.
•   Resolução de situações-problema envolvendo significados da multiplicação e da divisão: razão.
•   Decomposição em fatores.
•   Figuras planas (quadrado, triângulo retângulo círculo).
•   Figuras tridimensionais e bidimensionais.
•   Simetria, tabelas e gráficos.
•   Medidas de massa e capacidade.
•   Uso da régua medida.
•   Identificação de sólidos geométricos (cubo, paralelepípedo, pirâmide, esfera, cone, cilindro).

4º ano - Objetivos gerais: Ser vista pelo aluno como um conhecimento que pode favorecer o desenvolvimento do seu raciocínio, de sua sensibilidade expressiva, de sua sensibilidade estética e de sua imaginação. Estar a serviço do aluno, como meio facilitador para a estruturação e o desenvolvimento do pensamento do (a) aluno (a) e para a formação básica de sua cidadania.

Conteúdo
• Números: quantificar, ordenar, codificar e medir.
• Usar os números como instrumentos na resolução de problemas.
• Ler e escrever números maiores que 1000.
• Conhecer a história da criação dos números.
• Sistematizar as ordens do Sistema de numeração decimal até a unidade de milhão.
• Ampliar os conhecimentos sobre a escrita dos números.
• Escrever números com quatro dígitos ou mais.
• Compor números com nove dígitos estabelecendo relação entre a posição e o valor de cada algarismo.
• Conhecer outros sistemas de numeração: egípcio e romano.
• Reconhecer e representar números racionais.
• Aprofundar os conhecimentos sobre a escrita e leitura de números de dois a nove dígitos.
• Reconhecer que os números naturais e racionais admitem várias representações de forma fracionária- frações equivalentes.
• Ler, escrever e produzir números reconhecendo ordens e classes.
• Compreender e aplicar as regras do sistema de numeração decimal para leitura, escrita, comparação e ordenação de números naturais de qualquer ordem de grandeza.
• Operações: Ampliar o conceito de números ao terem que resolver operações aritméticas como adição, subtração, multiplicação e divisão.
• Identificar propriedades das operações de multiplicação e divisão.
• Desenvolver recursos de cálculos nas operações da multiplicação e da divisão.
• Calcular a multiplicação entre dois números naturais aplicando a técnica convencional na forma longa.
• Resolver adições e subtrações com números naturais por meio de estratégias pessoais e do uso de técnicas operatórias convencionais.
• Resolver multiplicações com números naturais por meio de estratégias pessoais e do uso de técnica operatória convencional (pela decomposição).
• Resolver situações-problema compreendendo diferentes significados das frações: parte-todo; quociente.
• Resolver situações-problema compreendendo diferentes significados das operações envolvendo números naturais. Construir procedimentos de cálculo exato: uso das técnicas operatórias, cálculo mental, exato e aproximado, da adição, subtração e multiplicação.
• Construir o procedimento de cálculo exato na divisão por meio da técnica operatória.
• Construir o procedimento de cálculo exato na multiplicação por meio da técnica operatória convencional.
• Analisar, resolver, produzir problemas relacionados aos números naturais envolvendo as quatro operações e seus significados.
• Resolver problemas que envolvem o conceito de porcentagem no uso diário.
• Decidir sobre a adequação do uso do cálculo exato ou aproximado, mental ou escrito.
• Identificar porcentagem como fração decimal.
• Utilizar o sistema monetário brasileiro em situações-problema.
• Construir o procedimento de cálculo exato na divisão por meio da técnica operatória convencional.
• Resolver situações-problema compreendendo diferentes significados da adição, subtração, multiplicação e divisão.
• Tratamento de informações: Aprendizagem de procedimentos para coletar, organizar, interpretar e comunicar informações fazendo uso de tabelas e gráficos, quadros, esquemas e fluxogramas.
• Interpretar tabelas e gráficos aplicados em situações do dia a dia.
• Construir tabelas e gráficos aplicados em informações do dia a dia.
• Analisar gráficos e produzir textos com base na interpretação de gráficos.
• Identificar o significado social de alguns símbolos.
• Coletar e organizar informações.
• Grandezas e Medidas: Conceitos e habilidades de medidas, explorando os números e operações para melhor compreensão dos conceitos relativos a espaço e forma: comprimento, massa e capacidade.
• Estabelecer relações entre unidades usuais de medidas de uma mesma grandeza: metro e centímetro, metro e quilômetro, litro e milímetro, grama e quilograma.
• Conhecer o termômetro como instrumento para a medida de temperatura.
• Identificar medidas de perímetro e área em figuras planas.
• Reconhecer a diferença entre o cálculo do perímetro e o da área de figuras planas.
• Aprofundar os conhecimentos sobre medidas de comprimento: milímetro.
• Conhecer outras unidades de medidas usadas pelo homem no decorrer da história.
• Calcular a área e o perímetro das figuras planas.
• Ampliar a noção de medidas de tempo, introduzindo os segundos e explorando relações e conversões.
• Resolver situações-problema envolvendo medidas, explorando relações e conversões.
• Resolver situações-problema envolvendo medidas, explorando relações e conversões.
• Espaço e forma: Noções geométricas favorecendo o desenvolvimento do pensamento geométrico, para que o aluno compreenda, descreva e represente de forma organizada os elementos do mundo em que vive.
• Classificar polígonos pelo número de lados.
• Reconhecer retas paralelas e perpendiculares.
• Reconhecer que os polígonos podem ser decompostos em figuras triangulares.
• Reconhecer as diagonais de um polígono.
• Identificar semelhanças e diferenças entre polígonos relativas ao número de lados, vértices, eixos de simetria.
• Ampliar a noção sobre polígonos e sua classificação.
• Compor e decompor figuras planas: triângulos, quadrados e retângulos.
• Ampliar e reduzir figuras planas.
• Identificar ângulo reto e ângulos maiores ou menores que o ângulo reto.
• Classificar poliedros em prismas e pirâmides, identificar elementos como faces, vértices e arestas.
• Aplicar noções de perímetro e área na resolução de situações-problema.

5º ano - Objetivos gerais: Identificar os conhecimentos matemáticos como meios para compreender e transformar o mundo à sua volta e perceber o caráter de jogo intelectual, característico da Matemática, como aspecto que estimula o interesse, a curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento da capacidade para resolver problemas.

Conteúdo
• Agrupamentos.
• Instrumentos de contagem (ábaco e soroban).
• Diferentes sistemas de numeração (indo-arábico e romano).
• Operações: adição, subtração, multiplicação e divisão.
• Frações equivalentes.
• Mosaico.
• Figuras planas e espaciais;
• Simetria.
• Mínimo múltiplo comum.
• Adição e subtração de frações.
• Frações mistas.
• Divisão por estimativa.
• Multiplicação por centena.
• Medidas e classificação de ângulos.
• Uso do transferidor.
• Multiplicação e divisão de frações.
• Números palíndromos.
• Leitura de plantas, áreas e perímetros.
• Múltiplos e submúltiplos do metro.
• Medidas de área e volume.
• Potenciação.
• Sentenças matemáticas abertas e fechadas.
• Sistema monetário.
• Jogos.
• Músicas.
• Noções de estatística.

Disciplina: Educação Física

Objetivos gerais de 1º ao 5º ano: espera-se que ao final do Ensino Fundamental na disciplina de Educação Física os alunos sejam capazes de:
• participar de atividades corporais, estabelecendo relações equilibradas: e construtivas com os outros, reconhecendo e respeitando algumas de suas características físicas e de desempenho motor, bem como as de seus colegas, sem discriminar por características pessoais, físicas, sexuais ou sociais;
• adotar atitudes de respeito mútuo, dignidade e solidariedade em situações lúdicas e esportivas, buscando solucionar os conflitos de forma não violenta;
• conhecer os limites e as potencialidades do próprio corpo de forma a poder controlar algumas de suas atividades corporais com autonomia e a valorizá-las como recurso para manutenção de sua própria saúde;
• conhecer, valorizar, apreciar e desfrutar de algumas das diferentes manifestações da cultura corporal, adotando uma postura não preconceituosa  ou discriminatória por razões sociais, sexuais ou culturais;
• organizar jogos, brincadeiras ou outras atividades corporais, valorizando-as como recurso para usufruto do tempo disponível;
• analisar alguns dos padrões de estética, beleza e saúde presentes no cotidiano, buscando compreender sua inserção no contexto em que são produzidos e criticando aqueles que incentivam o consumismo.

1º ano – Conteúdo:

Diagnóstico: Conhecimentos prévios.

Jogo: Brinquedos Cantados.
Brincadeiras Populares.
Jogos Simples com Bola.
             Conhecimento do Corpo: Brinquedos e brincadeiras.
Ginástica: Habilidades Motoras Básicas – Locomoção e Manipulação.

Dança/Atividade Rítmica: Cirandas.
Danças folclóricas Infantis.
 

2º ano – Conteúdo:
Diagnóstico: Conhecimentos prévios.

Jogos: Brinquedos Cantados.
          Brincadeiras Populares.
          Jogo de Perseguição.
          Jogos Simples com Bola.

Conhecimento do Corpo: Brincadeiras e Brinquedos.
         Formas de se mover.
         Se mover em relação ao objeto.
         Se mover no Espaço.

Dança/Atividade Rítmica: Ciranda.
          Danças folclóricas Infantis.

Ginástica: Habilidades Motoras Básicas – Locomoção e Manipulação


3º ano – Conteúdo:
Diagnóstico: Conhecimentos prévios.

Jogos: Brincadeiras Populares.
Jogos de Perseguição, Sensoriais, com Bola, com outros implementos
Jogos de Invasão e de Contato.

Conhecimento do Corpo:Brincadeiras.
                                                       Se mover no Espaço e no Tempo.
        Formas de se mover.
        Se mover em relação ao objeto, espaço, tempo e forma.
        Conhecer o Jogo e a relação com o outro.
        Se mover em relação à mudança de equilíbrio.

Dança/Atividade Rítmica: Conhecer a relação da Dança com o instrumento.
                                                         Conhecer o Folclore Brasileiro.
          Ciranda.
          Danças folclóricas Infantis.

Ginástica: Habilidades Motoras Básicas – Locomoção, Manipulação e
              Estabilização.


4º ano – Conteúdo:
Diagnóstico: Conhecimentos prévios.

Jogos: Jogos de Invasão, Contato, Recreativos, Raciocínio, Cooperativos.
Jogos com Bola e com outros implementos.

Conhecimento do Corpo:Brincadeiras.
                                                       Formas de se mover.
       Se mover no Espaço e no Tempo e em relação ao outro.
       Se mover em relação ao objeto, espaço, tempo e forma.
       A relação entre o prazer e a cooperação.
       Conhecer as possibilidades e potencialidades motoras.

Luta:  Jogos de Equilíbrio.
Lutas - expressões culturais – indígenas, capoeira.

Dança/Atividade Rítmica: Conhecer a relação da Dança com o instrumento.
          Ciranda.
          Danças folclóricas brasileiras.

Esporte: Pré-desportivo ao Atletismo e ao Handebol.

Ginástica: Habilidades Motoras Básicas: Locomoção + Manipulação + Estabilização.
       Ginástica Rítmica.
       Capacidades Físicas e Neuromotoras.
       Ginástica Geral.

5º ano – Conteúdo:
Diagnóstico: Conhecimentos prévios.

Jogos: Jogos Recreativos, Raciocínio, Cooperativos, Competitivos.

Conhecimento do Corpo:Brincadeiras.
        Formas de se mover.
        Se mover  no  Espaço e  no  Tempo e  em  relação ao  
        outro.
        Se mover em relação ao objeto, espaço, tempo e forma.
        A relação entre o prazer e a cooperação.     
        Conhecer as possibilidades e potencialidades motoras.
        Se mover em relação ao esforço físico e a atividade
        física.
        Conhecer o Jogo e a relação cooperação/competição.
Luta: Jogos de Equilíbrio.
          Lutas - expressões culturais – indígenas, capoeira.
          Apresentação de formas individuais.

Dança/Atividade Rítmica: Danças de diferentes culturas brasileiras (etnias, regiões), dança e comunicação, danças folclóricas brasileiras e dança e condicionamento físico.

Esporte: Pré-desportivo ao Atletismo,Futsal, Basquetebol, Handebol, Voleibol.

Ginástica: Capacidades Físicas e Neuromotoras.
       Ginástica Geral e Artística.
 
Disciplina: Educação Artística

Objetivos gerais de 1º ao 5º ano: Alfabetizar visualmente, mostrando a arte como uma linguagem, com elementos, signos, códigos e símbolos próprios; Possibilitar o reconhecimento de diferentes linguagens artísticas; Incentivar a apreciação, fruição e leitura de obras de arte; Explorar diferentes materiais e suportes, não perdendo de vista que as técnicas estarão sempre a serviço de uma ideia, de um conceito; Promover o respeito às obras apresentadas, bem como aos autores e às diversas manifestações artísticas; Promoção do desenvolvimento cognitivo, emocional e da coordenação, principalmente a motora fina; Valorização da pluralidade cultural do país.
1º ano – Conteúdo:
• Elementos visuais: Cor (Sensações e misturas), Textura (Sensações táteis), Espaço (Exploração de superfícies).
• Manifestação Cultural: Carnaval e Festa Junina.
• Retrato e autorretrato.
• Autorretrato colorido – pintura sobre xerox colorido.
• Introdução das Cores primárias e secundárias, ponto (ponto gráfico referência para elaboração criativa e preenchimento de espaço).
• Festa Junina.
• Linhas (Limite espacial, reta, curva, inclinada, aberta e fechada).
• Artistas estudados: Tarsila do Amaral, Piet Mondrian e Vincent Van Gogh.

2º ano – Conteúdo:

• Estudo da biografia do artista brasileiro Candido Portinari.
• Vivência de experiências técnicas em desenho, pintura, recorte e colagem das seguintes obras: Meninos pulando carniça (1957), Meninos brincando (1955), Futebol (1955) e Meninos no balanço (1960).
• Espaço (Observação dos diferentes tipos de árvores no espaço escolar).
• Conceito de bidimensional e relevo.
• Leitura de obras que retratam a natureza.
• Textura – sensações táteis.
• Artistas a trabalhar: Vincent van Gogh, Paul Gauguin, Paul Klee e Piet Mondrian.
• Festa Junina.
• Forma e textura (Exploração e percepção dos elementos que compõem as paisagens naturais).
• Artista a trabalhar: Paul Cézanne.
• Movimento Impressionista.
• Claude Monet e suas pinceladas.
• Estudo das cores (primárias e secundárias) e tonalidades.
• Gustavo Rosa (Série Animais) – Cores e formas.

3º ano – Conteúdo:
• Estudo da biografia e da obra do artista espanhol Joan Miró.
• Vivência de experiências técnicas em desenho, pintura, recorte e colagem das seguintes obras: Pessoa diante do sol (1968), Campo espanhol sob a luz da Lua (1968), Autorretrato (1938/1960), O céu entreaberto nos devolve a esperança (1954) e O ouro do azul (1967).
• Estudo e obra de Piet Cornelis Mondrian.
• Estudo e obra de Alex Fleming.
• Festa Junina.
• Estuda da biografia e obra do artista Romero Brito.
• Conhecer a Arte móbile e Stabile a partir da obra de Alexander Calder.
• Conceito de Simetria e Assimetria.
• Arte postal.

4º ano – Conteúdo:
• Elementos Visuais:  Ponto.
• Linha: Gráfica – referência para elaboração criativa e preenchimento de espaço.
• Tipos de reta (horizontal, vertical e inclinada).
• Tipos de curva (convexa, côncava, aberta e fechada).
• Tipos de linhas quebradas (sinuosa quebrada e mista).
• Estuda das cores: – Primárias, secundárias, quentes e frias.
• Espaço: Bidimensional (Organizações compositivas – Planos de perspectiva e forma); Tridimensional: Experiências de construção com materiais diversos.
• Formas geométricas.
• Festa Junina.
• Conceito de Arte Rupestre.
• Forma:  Simetria assimetria; Figurativa e abstrata.
• Cor:  Classificação: Neutras, Acromática, policromática e monocromática.
• Biografia de Pablo Picasso.
• Cartão de Natal.


5º ano – Conteúdo:
• Estudo da vida e obra de Beatriz Milhares, circunferências, linhas horizontais, verticais e diagonais.
• Estrela bidimensional – régua.
• Estudo da vida e obra Namorados de Milton Dacosta.
• Composição e decomposição de figuras.
• Estudar vida e obras simétricas e assimétricas de Maurits Cornelis Escher.
• Hip hop e Grafite.
• Movimentos artísticos do século XX: Cubismo analítico e Sintético, Fauvismo, Abstracionismo informal, Abstracionismo geométrico, Surrealismo, Op Art;
• Artistas a estudar: Pablo Picasso, Henri Matisse, Wassily Kandinsky,  Piet Mondrian, Salvador Dalí e Maurício Nogueira Lima.
• Cartão de Natal.

Disciplina: Inglês

Objetivos gerais de 1º ao 5º ano: Aquisição de vocabulário básico, articulado às estruturas essenciais da língua, a partir de palavras relacionadas à realidade imediata do educando; vivenciar experiências socioculturais em sala de aula, interagindo com os colegas e com o professor; entrar em contato com diferentes manifestações culturais e desenvolver atitude de respeito diante delas; ler pequenos textos em língua inglesa, inferindo significados a partir dos diferentes elementos de composição textual, principalmente o visual; desenvolver a pronúncia, entonação, ritmo e fluência. Em suma, aprender de forma lúdica, em atividades significativas, desenvolvendo o gosto pela língua inglesa.
1º ano – Conteúdo:
• Cumprimentos em inglês.
• Aprender a se apresentar e a apresentar os colegas.
• Family: vocabulário relacionado às relações de parentesco.
• Colors: vocabulário relacionado às cores básicas.
• School objects: aprendizado dos nomes dos objetos escolares mais comuns.
• Relacionar os objetos escolares com as cores.
• Shapes: vocabulário relacionado a formas geométricas.
• Números e quantidades.
• Relacionar objetos do cotidiano de diferentes formas (shapes) com números (quantidades).
• Pets (Animais de estimação): aquisição de novo vocabulário relativo a animais de estimação.
• Relação entre animais, cores e quantidades.
• Faces (rostos): vocabulário relacionado às partes do rosto.
• Toys: vocabulário relacionado a brinquedos.

2º ano – Conteúdo:
• Cumprimentos complexos em inglês.
• Soletrar números e praticar a escrita e pronúncia dos números em estudo.
• Fruits: vocabulário relacionado às frutas.
• Artigos indefinidos.
• Perguntas e respostas.
• Aprender o alfabeto em inglês.
• Praticar soletração, categorização de palavras e ordenação de palavras em forma alfabética.
• Desenvolver o vocabulário referente aos nomes dos materiais escolares em Inglês.
• Vocabulário referente aos animais da fazenda.
• Vocabulário relacionado às partes do corpo.
• Vocabulário relacionado a festa de aniversário.

3º ano – Conteúdo:
• Meses e dias da semana.
• Estações do ano.
• Vocabulário relacionado a vestuário.
• Vocabulário referente aos números de onze a vinte.
• Vocabulário relacionado a comidas típicas do café da manhã.
• Vocabulário referente às relações familiares.
• Aquisição de novo vocabulário relativo a animais do zoológico.
• Relação entre animais, cores e quantidades e tamanhos.
• Vocabulário relacionado às partes da casa.
• Vocabulário relacionado às condições climáticas.

4º ano – Conteúdo:
• Vocabulário referente às partes da escola.
• Utilizar a estrutura “There is / There are”.
• Aprender a falar as horas em Inglês.
• Aprender a falar sobre os compromissos, rotina, companhias e tempo livre em Inglês.
• Vocabulário relacionado aos meios de transporte.
• Vocabulário referente aos alimentos usuais nas diversas refeições.
• Vocabulário referente aos diferentes estabelecimentos comerciais presentes na sociedade.
• Vocabulário relacionado aos animais marinhos e antárticos em inglês.
• Vocabulário relacionado a brincadeiras, esportes e ações em geral.
• Utilização do modal “can” (poder, conseguir).

5º ano – Conteúdo:
• Países e nacionalidades em Inglês.
• Vocabulário referente a sentimentos e emoções.
• Vocabulário relacionado a doenças e mal-estar físico.
• Vocabulário referente aos alimentos que compõem as diferentes refeições.
• Vocabulário sobre profissionais e trabalho em geral.
• Vocabulário sobre os animais selvagens.
• Estudo dos advérbios de frequência e vocabulário de atividades cotidianas (nadar, jogar futebol).
• Introdução ao Present Continuous Tense.


Disciplina: Música  - 1º ano
Objetivos gerais da disciplina: Propiciar à criança uma compreensão progressiva da linguagem musical, através de experimentos e convivência orientada.
Conteúdos
• Carnaval – marchinhas de carnaval.
• Exercícios com figuras e notas musicais.
• Intensidade e Altura do som.
• Propriedades do som.
• Banda rítmica.
• Datas comemorativas.
• Leitura musical.
• Criatividade e memória musical.
• Folclore.
• Vocalizes e canções Folclóricas.
• Banda Rítmica.
• Festa Junina.
• Hinos Pátrios.
• Danças Rítmicas.
• Exploração dos 5 sentidos.
• Estilos e gêneros musicais.

Disciplina: Filosofia 

1º ano -  Objetivos Gerais: Desenvolver conceitos a partir de histórias e vivências que visam à reflexão sobre o eu e o outro.

Conteúdo
Valores:
• Respeito, Amizade, posturas e solidariedade.             
Regras de convivência:
• Relacionamento, interação e socialização.
Diversidade cultural.
História de vida: identidade pessoal.

2º ano -  Objetivos Gerais: Aspirar à liberdade de pensamento, conhecimento, buscar pensar bem para viver bem. Em especial o aprender a pensar e valorizar a própria experiência de vida dentro de virtudes como: respeito mútuo, justiça, diálogo e solidariedade. Visando compreender, responsabilizar-se pelo espaço público, escolar, familiar, que pode ser democrático e humanizador.

Conteúdo
• Respeito.
• Cidadania.
• Ética.
• Direitos.
• Deveres.
• Eu e o outro (Ninguém é igual a ninguém).

3º ano -  Objetivos Gerais: Aspirar à liberdade de pensamento, conhecimento, buscar pensar para viver bem. Aprender a pensar e valorizar a própria experiência de vida dentro de virtudes como: sabedoria, respeito e justiça. Visando compreender, responsabilizar-se pelo espaço público, escolar e familiar.

Conteúdo
• Significado de Filosofia.
• Identidade.
• Convívio Social.
• Sujeito transformador.

4º ano -  Objetivos Gerais: Aspirar à liberdade de pensamento, conhecimento, buscar pensar bem para viver bem. Em especial o aprender a pensar e valorizar a própria experiência de vida dentro de virtudes como: Respeito mútuo, justiça, diálogo e solidariedade. Compreender, responsabilizar-se pelo espaço familiar, escolar, público, que pode ser democrático e humanizado.
Conteúdo
• Memórias.
• Posturas.
• Biografias e autobiografias.
• Situações práticas da vivência cotidiana e social.
• Cidadania: direitos e deveres.
• Autonomia.
• Identidades.
• Projeto “Criação e a Valorização do Ser”.

5º ano -  Objetivos Gerais: Contribuir para que o aluno se posicione como cidadão autônomo, valorizando os conhecimentos historicamente construídos e aplicando-os em situações vivenciadas cotidianamente.

Conteúdo
• Identidade.
• Biografias e autobiografias
• Sensações e descobertas.
• Cidadania: direitos e deveres.
• Autonomia.


             Séries Finais – 6º ao 9º ano

Disciplina: Português

            Objetivos Gerais: Suscitar no aluno competências leitoras e escritoras necessárias para se ter um letramento pleno oportunizando-o a enfrentar, autonomamente e criticamente, as múltiplas linguagens e recursos de comunicação existentes no mundo contemporâneo.

Conteúdos:
Gêneros textuais:
Relatar:
• Diários e registros do cotidiano (memórias).
• Notícias (textos jornalísticos).
• Paráfrases, resumos e comentários.
• Narração.
• Contos populares/lendas.
• Mini–contos.
• Fábulas.
• Histórias em quadrinhos.
Opinar:
• Parágrafos opinativos.
• Ponto de vista.
• Poesia: (introdução).
• Poemas (sensibilização poética).
• Propaganda.
Argumentar:
• Epístolas.
• Expressão oral: debate regrado.
Expor (gêneros textuais com sequências expositivas e dissertativas):
• Carta argumentativa.
• Verbete de dicionário e enciclopédia.
Prescrever:
• Receita.
• Regras de jogo.
Relatos:
• Autobiografia.
• Biografias.
• Memórias.
• Entrevistas.
Narrativas - contos, crônicas:
• Argumentação.
• Resenha.
• Poesia (poema, prosa poética, poema em prosa).
• Texto expositivo.
• Texto prescritivo: lei e regulamento.
Relato:
• Discurso do narrador.
• Discurso direto, indireto e indireto livre.
• Diário ficcional.
• Paráfrase, resumo e resenha descritiva.
• Contos e crônicas.
• Poema visual (poesias concretas).
• Editorial (sequência dissertativa).
• Artigo de opinião.
• Debate regrado.
• Expor.
• Intertextualidade (as relações entre os textos).
• Gênero escolar (sequência dissertativa).
• Resenha crítica (sequência descritiva e dissertativa).
• Expressão oral.
• Paráfrase, síntese e relatório.

Fatos da Língua:
• Verbos (verbos de ação e de estado ou de ligação; modo imperativo).
• Frase, oração, período e parágrafo.
• Sujeito e predicado.
• Fórmulas: lugares-comuns.
• Marcas linguísticas: textos publicitários e poemas.
• Lugar comum nos textos.
• Variedades sociais da língua: registros de linguagem.
• Preconceito linguístico.
• Artigos definidos e indefinidos.
• Pronomes pessoais.
• Ortografia padrão (acentuação, pontuação, homônimos, sinônimos, etc.).
• Verbo (modos, tempos, pessoa e número; emprego do presente do indicativo).
• Substantivo e adjetivo.
• Marcas linguísticas e extralinguísticas: características de notícias, de reportagens e de narrativas de ficção.
• Discurso direto nas notícias, nas reportagens e nas narrativas de ficção.
• Discurso direto nas histórias em quadrinho.
• Verbos (verbos de ação e de estado ou de ligação; modo imperativo).
• Frase, oração, período e parágrafo.
• Sujeito e predicado.
• Lugar comum nos textos.
• Formação de palavras.
• Classe gramatical.
• Advérbios e locuções adverbiais.
• Paragrafação.
• Formas nominais do verbo.
• Coesão sequencial e referencial.
• Marcas linguísticas: características de verbetes, de receitas e de regras de jogos.
• Ortografia.
• Pontuação.
• Variação linguística.
• Formação de palavras.
• Classe de palavras.
• Discurso direto e indireto.
• Sujeito e predicado.
•   Discurso do narrador. Discurso das personagens: direto, indireto e indireto livre.
•  Conotação e denotação (Metáfora).
•  Processos de coordenação e de subordinação.
• Versificação; Figuras de linguagem e de pensamento.
• Emprego de pronomes indefinidos e demonstrativos.
• Colocação de pronomes / Formas nominais do verbo.
• Verbos performativos / Sintaxe do período.
• Orações subordinadas adjetivas.
• Coesão e emprego de pronomes relativos / Informações implícitas.
• Palavras ou locuções denotadoras de inclusão, de exclusão, de realce ou esforço,
• de retificação, de situação, de moderação etc.
• Regência verbal e nominal /Crase.
• Registro formal e informal; Regência nominal e verbal.
• Formas verbais: modo indicativo, subjuntivo, imperativo e as formas nominais.
• Sintaxe do período: processo de coordenação e subordinação.
• Ortografia padrão; Colocação pronominal; Uso de aspas.
• Expressões nominais; Mecanismos de redução ou de ampliação linguística.
• Registro formal e informal; Regência nominal e verbal.
• Formas verbais: modo indicativo, subjuntivo, imperativo e as formas nominais.
• Sintaxe do período: processo de coordenação e subordinação.
• Discurso direto, indireto e indireto livre.
• Colocação de pronomes.
• Figuras de linguagem: comparação, metáfora, hipérbole, metonímia, antítese, personificação e ironia.
• Formação de palavras; Concordância verbal e nominal; Vozes verbais.
• Coerência e coesão textual; Ortografia e pontuação.
• Voz passiva (pronominal e analítica) / impessoalidade).
• Ortografia e pontuação.
• Figuras de linguagem.
• Relação entre as coordenadas.
• Conjugação verbal.
• Sintaxe do período (coordenação e subordinação; orações subordinadas  
adverbiais, substantivas e adjetivas).
• Colocação pronominal.
• Voz do narrador e das personagens.
• Sintaxe da frase - sujeito e predicado: modos de indeterminação do sujeito.
• Predicado nominal / verbal.
• Verbo transitivo direto e indireto; objeto direto e indireto; predicativo do
sujeito.
• Voz passiva (pronominal e analítica) / impessoalidade. Sintaxe do período.

Disciplina: História

Objetivos Gerais: Espera-se que o aluno já apresente um grau de amadurecimento em relação as suas ideias dos diversos conceitos históricos. Assim poderá construir o significado da formação do mundo contemporâneo, analisando a trajetória do ser humano na linha do tempo histórico, sabendo situar os fatos e os conceitos em seus devidos espaço e tempo. Tendo subsídios para vincular o passado e entender o tempo presente.

Conteúdo:
• O que é história. Agentes da história.
• A divisão da história.
• História Primitiva. Surge a escrita.
• Civilizações Antigas: costumes, cultura, economia e religião.
• África e Egito. Civilizações Clássicas: Grécia e Roma, suas origens.
• Grécia: democracia, polis grega, mitologia.
• Roma: Os períodos da  história romana, crise  do Império Romano. Cultura e política. Mitologia romana.
• Crise do Império Romano. Cristianismo.
• Carlos Magno. Império Bizantino. Islamismo.
• Sociedade feudal.
• Poder da Igreja Católica.
• Cultura e arquitetura  medieval.
• Crise no feudalismo.
• Guerra Santa- guerras em nome de Deus.
• Renascimento: Cultural e Científico.
• Mercantilismo.
• Reforma e Contra Reforma religiosa.
• Grandes navegações. Povos primitivos americanos.
• Inglaterra: burguesia no poder.
• Mundo industrializado. Iluminismo.
• Revolução Francesa.
• América inglesa, espanhola e portuguesa.
• Independência do Brasil. Período regencial.
• Brasil, uma nação consolida.
• Políticas externas e crises internacionais.
• Segunda metade do século XX.
• Europa: novas ideologias.
• Novas potencias mundiais.
• Avanço industrial.
• A Europa do século XIX. Napoleão Bonaparte.
• Bloqueio Continental. Vinda da Família Real Para o Brasil (1808).
• Revolução Francesa suas influências. Segunda Revolução Industrial.
• O Brasil do século XIX : Abolição, Republica e o Café.
• O mundo no século XX.
• Primeira Guerra Mundial. Revolução Russa.
• Segunda Guerra Mundial. Brasil: Abolição e República.
• Fascismo e Nazismos – Regimes Totalitários.
• A Crise de 1929 (quebra da bolsa de valores de Nova York).
• Guerra fria. Capitalismo x Socialismo.
• Exibição de vídeos ou documentário relacionados aos conteúdos.
• O Brasil no século XX. Globalização.
• Era Vargas.
• Brasil e a ditadura militar. Milagre econômico ou repressão política ?
• A Abertura Política.
• Brasil a construção do futuro.

Disciplina: Geografia

Objetivos Gerais: Dentro do contexto de renovar a abordagem de uma visão geográfica introdutória, têm-se a pretensão de torná-los capazes de identificar e analisar a construção do espaço geográfico, em detrimento do natural, em suas diversas instâncias, iniciando com a percepção e análise da escala local, onde se dão as relações interpessoais. Após um primeiro entendimento da construção do espaço a partir do local, partir para a análise de como se dão as relações sociais de produção, em especial as da nação brasileira, e como elas interagem com os elementos naturais. Finalmente, a análise será finalizada neste ano com a apreensão dos espaços construídos, tanto o urbano como o rural.
Conteúdo
• O olhar geográfico: representando e analisando lugares geograficamente.
• A vida em sociedade: construindo o espaço entre a individualidade e a coletividade.
• Alfabetização cartográfica: escala, coordenadas geográficas e planisférios.
• Demografia e análise populacional: conceitos fundamentais, fecundidade, pirâmides etárias e fluxos migratórios.
• Formação da matriz étnica e cultural brasileira, sua diversidade e as interrelações nesta matriz.
• A natureza enquanto fonte de recursos naturais, sua exploração, consequências sociais e ambientais. Classificação dos recursos enquanto sua vitalidade e importância socioeconômica.
• Ambientalismo, mito da natureza intocável, economia verde e desenvolvimento sustentável.
• Geografia urbana: introdução conceitual, características analíticas, formação e dinâmica das cidades, processo de urbanização, problemas de infraestrutura e sociedade urbana.
• Geografia rural: introdução conceitual, dinâmica rural, ruralidades e mutações no campo, questões agrárias e agrícolas, o campo entre a produtividade e sua estrutura social.
• Setores produtivos econômicos, suas características, objetivos e os processos de modernização pelos quais passam.
• Recursos hídricos: sua constituição, importância ambiental e socioeconômica, exploração e degradação.
• Mananciais, reservas de recursos hídricos e interação com a sociedade.
• Exploração dos potenciais dos cursos d'água, das zonas litorâneas e dos oceanos/mares.
• Litosfera e suas dinâmicas: formadora e modeladora. Tectonismo, seus fenômenos e formação do relevo. Interação com outras esferas, intemperismo e modelagem do relevo. Formas de relevo.
• Matriz energética: tipos de usinas, tipos de combustíveis, as características econômicas e ambientais das matrizes.
• Dinâmica da atmosfera: dados e elementos básicos. Zoneamento climático e elementos de formação do clima. Domínios morfoclimáticos.
• Meio ambiente urbano e seus fenômenos de microclima.
• Dos domínios morfoclimáticos aos biomas: tipificação, características básicas dos biomas e sua dinâmica.
• Mundo global contemporâneo: globalização enquanto fábula e enquanto perversidade. O meio técnico, científico e informacional e a dicotomia entre o global e o local.
• A evolução do capitalismo e a ascensão da globalização econômica.
Características básicas do sistema capitalista, suas fases e mutações. Do protecionismo à ascensão do paradigma de livre comércio.
• Capitalismo imagético: a mídia e a propaganda na construção de uma sociedade de consumo homogêneo. A imagem como produto.
• Transnacionais, atores e redes internacionais. As modernizações sucessivas e a contínua “evolução” da globalização.
• Globalização: do fluxo econômico (informações, capitais, mercadorias e capitais) para o fluxo de pessoas.
• Dinâmicas migratórias e a ascensão da xenofobia e do ultranacionalismo. Mão de obra, PEA, mercados de atração e repulsão populacional. Migrações compulsórias e os refugiados pós modernos.
• Dinâmicas produtivas, reestruturação e as relações modernas de produção.
• A organização mundial: as Ordens e a hierarquia mundial. A origem do Sistema Mundo e a sucessão das Ordens Mundiais.
• Organismos de regulação internacional e a ONU.
• Blocos econômicos: tipologia e análise geopolítica de sua atuação.
• Conflitos modernos, geopolítica e o Choque de Civilizações.
• Geografia regional europeia. Formação territorial, características morfoclimáticas e bióticas, demografia, urbanidades e ruralidades, estrutura de desenvolvimento econômico e social do continente. Fragmentação territorial e conflitos separatistas. A União Europeia.
• Geografia regional africana. Formação territorial arbitrária, características morfoclimáticas e bióticas, demografia, urbanidade e ruralidade, estrutura de desenvolvimento econômico e social do continente. Neocolonialismo e sua herança, independência formal e dependência econômica. África do Sul e o apartheid.
• Geografia regional asiática. Formação territorial diversa e antiga, características morfoclimáticas e bióticas, demografia, urbanidade e ruralidade, estrutura de desenvolvimento econômico e social do continente. Diversidade cultural, política e econômica, entre grandes potências e países miseráveis. China, Japão e os tigres asiáticos. Geopolítica do Oriente Médio.
• Geografia regional da Oceania. Formação territorial, características morfoclimáticas e bióticas, demografia, estrutura de desenvolvimento econômico e social do continente. Diversidade econômica do continente.
Disciplina: Ciências

 Objetivos Gerais:
• Compreender a Ciência como um processo humano de produção de conhecimento e fonte de transformação do mundo.
• Valorizar e preservar a natureza, respeitando a vida e compreendendo a necessidade da manutenção dos equilíbrios biológicos.
• Construir conceitos e explicações relativos ao universo da Ciência, desenvolvendo um vocabulário adequado, dominando as linguagens apropriadas e relacionando o conhecimento científico com questões do seu dia a dia.
• Compreender a natureza como uma estrutura dinâmica e o ser humano, em sociedade, como agente de transformações do mundo em que vive.
• Entender a importância dos recursos naturais para a continuidade da vida no planeta, evitando seu desperdício.
• Compreender a saúde pessoal, social, e ambiental como bens individuais e coletivos que devem ser promovidos.
•  Identificar relações entre o conhecimento científico, produção de tecnologia e condições de vida.
• Desenvolver a capacidade de percepção de problemas suscetíveis ou não de solução pelos métodos da Ciência.
• Aplicar o método científico, sendo capaz de realizar observações, coletar dados, organiza-los, discutir e relatar fatos e informações; ser capaz ainda, de levantar hipóteses e testá-las experimentalmente, aceitando-as ou rejeitando-as.
• Colocar em prática conceitos, procedimentos e atitudes desenvolvidas no aprendizado escolar.
Conteúdo
Diversidade da vida
? Vida na Terra.
? Diversidade nos animais.
? Diversidade na vida vegetal.
? Unidade na diversidade.
? 0s outros seres vivos.
? Por que classificamos?

Água, ar e solo
? Água.
? Ar.
? Solo e rochas.

Os dias e as noites
? Hábitos e costumes.
? O céu.

Conhecendo nosso corpo
? Movimento e sustentação.
? Revestimento do corpo humano.
? Transformações no corpo.

A vida no ambiente
? Alimentação dos seres vivos.
? Nutrição do ser humano.
? Respiração nos seres vivos.
? Respiração nos seres humanos.
? Cadeias alimentares.
? Teias alimentares.
? Circulação.
? Excreção nos seres vivos.
? Excreção nos seres humanos.
? Reprodução nos animais.
? Reprodução nos vegetais.
? Reprodução nos seres humanos.

Planeta Terra
? Constituição do planeta.
? A atmosfera do planeta.

O céu do planeta
? Observando astros.
? Distâncias e grandezas.

Os grandes ambientes da Terra
? Distribuição dos biomas.
? Matéria e energia circulam nos ambientes.
? Origem da vida.

A célula como unidade dos seres vivos
? Estrutura e funcionamento da célula.
? Fotossíntese, respiração celular, fermentação.
? Vírus: uma exceção à regra.

A interação com o ambiente
? Sentidos e sensibilidade.
? A coordenação do organismo.

Movimento dos astros
? Ampliando o conhecimento do Universo.

Movimento dos astros
? Gravitação.
? Movimentos celestes.
? Orientação.

O estudo da química
? Introdução à química.
? Propriedades da matéria.
? As transformações da matéria: Fenômenos químicos e físicos.
? Os estados físicos da matéria e suas transformações.
? Substâncias puras e misturas.
? Métodos de separação de misturas.

O estudo da física
? Grandezas físicas e unidades de medida.
? Movimento e referencial.
? Movimento Retilíneo Uniforme e Movimento retilíneo uniformemente variado.

Biologia o organismo e a saúde dos seres humanos
? Hereditariedade: a verdadeira herança de nossos pais.

Química
? O átomo: estrutura e identificação (modelos atômicos; nº atômico e de massa; íons; eletrosfera; Isótopos, isóbaros e isótonos).
? Classificação periódica dos elementos químicos.
? Ligações químicas.
? Funções inorgânicas.
? Reações químicas.

Física
? Gravitação (forças, massa, peso, as leis de newton, força e lei de atração gravitacional).
? Queda livre.
? Força e Trabalho.
? Energia mecânica: potencial e cinética.
? Temperatura e Calor.

Ciência e Tecnologia
? Que som é esse?
? Faça-se a luz.
? No embalo das ondas.

Biologia: Os seres vivos e o ambiente
? Parasitismo: Uma estratégia de vida.
? Reinos: Os Grandes Grupos de Seres Vivos.
? A Gênese da Vida.

Física
? Eletricidade.
? Magnetismo.

Terra nossa morada no universo.
? Estrelas, nebulosas, galáxias e aglomerados galácticos.
? Evolução estelar.

Disciplina: Matemática

 Objetivos Gerais:
• Contribuir para que tenha uma atitude positiva em relação à Matemática, aumentando assim sua autoestima e perseverança na busca de soluções para um problema.
• Perceber que os conceitos matemáticos o auxiliam a compreender o mundo e assim poder agir melhor nele.
•  Pensar logicamente, relacionar ideias, descobrir regularidades e padrões, estimular sua curiosidade, seu espírito de investigação e sua criatividade na solução de problemas.
• Observar a presença da Matemática no dia-a-dia e integrá-la com outras áreas do conhecimento.
• Usar da linguagem matemática para argumentar, escrever e representar ideias.
• Interagir com os colegas cooperativamente, apresentando suas ideias e respeitando as deles, formando um ambiente propício à aprendizagem.

Conteúdo
• Números e Operações.
• Espaço e Forma.
• Grandezas e Medidas.
• Tratamento da Informação.
Números e operações
• Números Naturais.
• Números Romanos.
• Números Racionais (forma decimal e forma fracionária).
• Números Irracionais.
• Números Reais.
• Operações: adição, subtração, multiplicação, divisão, potenciação e 
     radiciação.
• Equações do 1º e do 2º grau.
• Sistemas de Equações com duas variáveis.
• Inequações do 1º grau.
• Estudo de Polinômios.
• Frações  Algébricas.
• Equações Algébricas.
Espaço e Forma (Geometria)
• Ponto, Reta e Plano.
• Figuras Geométricas Planas e Tridimensionais.
• Ângulos.
• Posição Relativa de Retas no Plano e no Espaço.
• Plano Cartesiano.
• Transformações Geométricas.
• Polígonos e Diagonais.
• Poliedros.
• Quadriláteros Notáveis (Paralelogramos e Trapézios).
• Linhas Paralelas e Transversais.
•   Triângulos – Cevianas e Semelhança.
• Triângulos Retângulos.
• Trigonometria no Triângulo Retângulo.
•   Circunferência e Círculo.
Grandezas e Medidas
• Comprimento.
• Área.
• Volume.
• Capacidade.
• Massa.
• Tempo.
• Razão e Proporção.
• Grandezas e Regra de Três.
• Porcentagem.
• Juros Simples ou Compostos.
Tratamento da Informação
• Gráficos: Segmentos de Reta; Colunas ou Barras, Setores, Função de
         1º grau, Função Quadrática.
• Médias: Aritméticas e Ponderada.
• Probabilidade e Estatística.

Disciplina: Educação Física

            Objetivos Gerais: O estudo do corpo em movimento na Educação Física tem como objetivo conseguir a consciência e o domínio corporal trabalhado por meio dos pressupostos dos movimentos expressos na ginástica, na dança e nos jogos.
Conteúdo:
• Aula teórica e prática sobre o Futsal.
• Avaliação Escrita sobre os assuntos abordados.
• Aula teórica e prática sobre o Basquete.
• Aula prática das modalidades do Atletismo.
• Aula teórica sobre a Fisiologia Humana.
• Aula prática de Recreação.
• Aula prática de Queimada.
• Aula teórica e prática sobre o Handebol.
• Aula teórica e prática sobre o Câmbio.
• Aula teórica e prática sobre o Vôlei.
• Aula Prática sobre o Badmington.

Disciplina: Educação Artística

Objetivos Gerais: Alfabetizar visualmente, mostrando a arte como uma linguagem, com elementos, signos, códigos e símbolos próprios; Possibilitar o reconhecimento de diferentes linguagens artísticas; Incentivar a apreciação, fruição e leitura de obras de arte; Explorar diferentes materiais e suportes, não perdendo de vista que as técnicas estarão sempre a serviço de uma ideia, de um conceito; Promover o respeito às obras apresentadas, bem como aos autores e às diversas manifestações artísticas; Promoção do desenvolvimento cognitivo, emocional e da coordenação, principalmente a motora fina; Valorização da pluralidade cultural do país.
Conteúdo
• A necessidade da arte.
• Arte como produção humana.
• Linguagem: simbologia e expressão.
• O poder simbólico e expressivo da cor.
• Acromático poli e monocromático.
• Arte rupestre.
• Subjetividade da arte.
• Experiência estética.
• Belo e Beleza.
• O poder expressivo da linha.
• Expressionismo abstrato.
• Arquitetura.
• A diversidade da arte.
• Multiculturalismo.
• Figurativo e abstrato.
• Formas – bidimensional e tridimensional.
• Imaginação e representação.
• O poder da representação.
• Observação, imaginação e representação.
• Arte e iconografia histórica.
• Ilustração.
• História em quadrinhos.
• Fotografia.
• Arte e emoção.
• A ciência da cor.
• Cores análogas e complementares.
• Representação e ilusão.
• Plano e volume.
• Luz e sombra.
• Reconhecendo diferentes pontos de vista.
• A representação do espaço.
• A invenção da perspectiva: noções e conceitos.
• Perspectiva - realidade ou ilusão.
• A perspectiva na Arte: usos, não usos e transgressões.
• Proporção x expressão.
• A figura humana no Egito e o ideal grego de beleza.
• A modernidade - Transformação, estilização e deformação na representação do homem.
• Retratos realistas e idealizados.
• Composição: noções e conceitos.
• Equilíbrio, simetria, enquadramento.
• Composição modular.
• Módulos na natureza e na arte.
• Transgredindo as regras.
• Função da arte em diferentes períodos: Pré-história, Antiguidade, Idade Média, Idade Moderna.
• Semana de Arte Moderna Brasileira – 1922.
• Diversidade da arte: arte ocidental e arte oriental.
• Arte do século XX: do expressionismo às tendências atuais.
• O “conflito” da arte contemporânea.
• Cultura popular – Festa Junina.
• Linguagens visuais: arquitetura, design, fotografia, cinema, HQ, etc.
• O poder da mídia.
• A imagem e as mídias.
• A imagem na publicidade.
• O que é patrimônio cultural.
• Por que preservar/ O que preservar/ Como preservar.
• Arte pública e a cidade.
• Artistas estudados: Siron Franco, Michel Duchamp, Guto.
• Lacaz, Escher, Alfredo Volpi, Hélio Oiticica, Michelangelo, Auguste Rodin, Victor Brecheret, Leonardo da Vinci, Caravaggio, Rembrandt, Regina Silveira, Claude Monet, Georges Seurat, Henri Matisse, René Magritte, Eckout, Jean-Baptiste Debret, Joan Miró, Lasar Segall, Piet Mondrian, Alexander Calder, Franz Krajcberg, Jackson Pollock, Oscar Niemeyer, Vincent van Gogh, Alberto Guignard e Pablo Picasso.

Disciplina: Inglês

Objetivos Gerais: Desenvolver a percepção do aluno como ser humano e como cidadão. Seu ensino deve centrar-se no engajamento discursivo do aprendiz e deve ser balizado na função social desse conhecimento na sociedade brasileira. O aluno deve vivenciar uma experiência de comunicação humana, pelo uso de uma língua estrangeira, através das habilidades de ouvir, falar, escrever e ler; refletir sobre os costumes ou maneiras de agir e interagir e as visões de seu próprio mundo; reconhecer que o aprendizado de uma ou mais línguas lhe possibilita o acesso a bens culturais da humanidade construídos em outras partes do mundo; valorizar o inglês como meio de acesso ao mundo do trabalho e dos estudos avançados; estabelecer relações entre o saber e o fazer, em múltiplas linguagens e gêneros discursivos propiciando a reflexão através do objeto de estudo; minimizar os limites entre a oralidade e a escrita; ler, compreender, escrever textos em inglês e resolver exercícios de gramática.
Conteúdo
• Verb Be.
• Contractions.
• Questions and short answers.
• Personal Pronouns.
• Questions words.
• Introducing others.
• Indefinite articles.
• Possessive Adjectives.
• Introductions others.
• Countries, nationalities and occupations.
• Feelings.
• Possessive.
• Family relationships.
• Numbers.
• This.
• That.
• School objects.
• Colors.
• These.
• Those.
• Clothes.
• Prices.
• There is-are.
• Parts of the house.
• Furniture.
• In.
• On.
• Under.
• Location of objects.
• Actions in the Present Continuous.
• Present  Continuous.
• Time.
• Can.
• Actions.
• There to be.
• School objects.
• School Subjects.
• Days of the week.
• Simple Present- Like.
• Object Pronouns.
• Simple Present.
• Routine activities.
• Frequency expressions.
• Inon.
• Question words.
• Months.
• Ordinal Numbers.
• Physical Characteristics.
• Personality.
• Reflexive Pronouns.
• Past Continuous.
• Simple Past.
• Some , any, no.
• Food and drinks.
• Too and either.
• Conditional.
• Future possibilities\ will.
• Superlative.
• Present Perfect.
• Past experiences.
• Present Perfect.
• Past experiences.
• Simple Present X Present Perfect.
• Must.
• Should.
• Might.
• Unreal conditional.
• Hypothetical situation.
• Question tags.
• Relative Clauses.
• Past Perfect.

Disciplina: Espanhol

Objetivos Gerais: Através da língua estrangeira enquanto instrumento de comunicação, consolidar e aumentar a competência comunicativa adquirida no ano anterior, para que possa ser utilizada em várias situações de comunicação. Ampliar o leque de conhecimentos linguísticos para compreensão orla e escrita.

Conteúdo
• Presente do indicativo dos verbos: “ser, tener, llamarse, dedicarse e hablar”.
• Interrogativos: “dónde, cómo, e qué”.
• Alfabeto.
• Números.
• Verbos  no presente do indicativo.
• Perguntas e respostas para apresentar-se a outras pessoas.
• Adjetivos para descrição física e de caráter.
• Adjetivos possessivos.
• A diferença dos verbos: “hay e estar”.
• Preposições e locuções para localizar.
• Artigos determinado e indeterminado.
• Morfologia do verbo “Gustar”.
• Perguntas e respostas para estar em um bar ou restaurante.
• ¿Qué va a tomar?; ¿cuánto es.
• Algo más ?.
• Adverbios de frequência.
• Horas: ¿Qué hora es?
• Vocabulário de  comidas, bebidas.
• Atividades de tempo livre e hábitos de fim de semana.
• Morfologia dos verbos:” gustar” e encantar.
• Advérbios de quantidade; de frequência.
• Verbos no presente do indicativo.
• Vocabulário das tarefas de uma casa.
• Verbos no presente do indicativo.
• Expressões de frequência.
• Vocabulário sobre ócio, tempo livre, viajes projetos.
• Verbos: ir, tener, hay que + infinitivo.
• Vocabulário do Tempo atmosférico; as estações do ano; números.
• Morfologia do verbo interessar.
• Advérbios: “también e tampoco”.
• Vocabulário sobre roupas, cores, materiais e formas.
• Comidas e bebidas.
• Pronomes de complemento direto.
• Comparativo de igualdade, inferioridade e superioridade.
• Tipos de viagens; meios de transportes; alojamentos.
• Morfologia dos verbos no pretérito perfeito e particípio irregulares.
• Expressões de tempo: hoy, esta semana...
• Vocabulário do Tempo atmosférico; as estações do ano; números.
• Morfologia do verbo interessar.

Disciplina: Filosofia

Objetivos Gerais:
• Identificar as capacidades físicas básicas.
• Compreender as relações entre as capacidades físicas e as práticas da cultura corporal de movimento.
• Compreender e executar as formas técnicas das atividades, vivenciando seus fundamentos diante das possibilidades individuais e coletivas, dos valores e processos refletindo sobre o sentido/significado, as origens dos esportes, contextualizando-os, relacionando-os ao cotidiano, estabelecendo analogias e generalizações.
• Condicionamento dos sistemas orgânicos a suprir demandas diárias e de emergência.
• Desenvolvimento de habilidades de utilização do movimento como instrumento de comunicação e expressão.
• Utilização sadia das horas de lazer adquirindo comportamento e valores referentes ao ajustamento pessoal e social.

Conteúdo
• Introdução à Filosofia – do Mito à Razão: Como surgiu? O que é? Para que serve?
• Projeto virtudes: Percepção, experiência e prática; Como tornar-se virtuoso.
• Conhecimento Filosófico: Senso comum e Bom Senso.
• Cooperação e Competição: Mitos e Lendas - a fábula do Coelho e da Tartaruga.
• Como nasce o Conhecimento e o Aprender: Pensamento Concreto e Abstrato.
• Criatividade e Arte: Uso de ferramentas e tecnologias, vídeos curtos da Internet que retratam os temas reflexivos e exemplos a serem seguidos.
• Noções e Conceitos: Bem e o bom – Mal e imoral.
• Pesquisa sobre Heróis: Papel Social e Virtudes. A luta pelo bem comum.
• Métodos Científicos e Filosóficos: Conhecimentos lógicos - Indução e Dedução.
• A Busca da Verdade: Honestidade - Omissão e Mentira, como lidar: Os exemplos em pequenas projeções e filmes.
• Os Sentidos – As Emoções (Os Sentimentos) e a Razão.
• O Uso da Criatividade: Habilidades e Competências: Pensando por si mesmo, o uso da Autonomia.
• Introdução ao Pensamento Filosófico: Reflexão Crítica e Conhecimento de si.
• Honestidade e Ética: Como vivê-las? Exercícios e Debates.
• Leitura e Interpretação da Fábula: A Tartaruga e o Coelho – Tribunal com jurados em defesa e acusação dos personagens.
• Noções de Lógica: Raciocínio e razão. Exemplos em pequenos vídeos da Internet.
• Como pesquisar: “Notícias boas e ruins” na mídia, revistas, jornais e propaganda enganosa.
• Analogia e Inferência: Alienação na linguagem coloquial – Vídeos Internet.
• Diálogos e Raciocínios - Argumentos e Falácias: como criar uma manchete e notícias.
• Pesquisa sobre Heróis: Apresentar os heróis e suas virtudes e papel social.
• Princípios Lógicos e Racionais: Dedução e Indução (atividades em sala).
• Métodos Científicos e Filosóficos: Formas de Conhecimentos.
• Projeto Virtudes – Prática e experiência para o ser ético.
• Introdução à Ética: Semelhança e diferença entre comportamento imoral e antiético.
• Reflexão: O que é Liberdade? Como ser livre com responsabilidade.
• O que Somos Obrigados a Fazer? Obrigações, normas e leis. O que Fazemos a Respeito do Bem e do Mal.
• Por que e para que Filosofar? Pensar e praticar o uso da reflexão crítica.
• Direitos e Deveres: Privilégios – Obrigações: seminários temáticos.
• Direitos Adquiridos e Naturais: Como surgiram e o que temos hoje conquistados.
• Pesquisa sobre Heróis: Virtudes e Papel Social.
• Problemas Éticos e Comportamento Moral - Moderado e Livre-Arbítrio: seminários.
• Ética no Mundo Contemporâneo - Ética Profissional e exemplos em vídeos net.
• Ética e Cidadania: é possível conviver com o diferente: (Debate de questões).
• A fábula da Amizade: Cooperação - Reconhecimento e Gratidão;
• Os Princípios Éticos e Morais – Como avaliar nossos critérios e julgamentos.
• O que é o Homem (ser humano) – Conceitos... Vídeos ilustrativos.
• O Homem: Ser estético, ético e político: (Seminários).
• Reflexão Crítica sobre a Mídia: Ideologia e Massificação – papel da mídia – Debates.
• Pesquisa de Temas Atuais: Reflexão Crítica - Apresentado pelos alunos.
• As 4 Ecologias: Ambiental – Social – Mental e Integral. Como Agir e Conviver.
• Direito Natural e Humano: A conquista dos deveres.
• O poder da Escolha: Percepção visual do real.
• O Homem é um Animal Político – Aristóteles: Política para não ser idiota.


8 – Práticas Pedagógicas

      8.1- Avaliação
• Educação Infantil
A avaliação tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança de até cinco anos, em seus aspectos físicos, psicológicos, intelectuais e sociais, através da observação das formas de expressão, de sua capacidade de concentração e envolvimento nas atividades. Isso significa dizer que a expectativa em relação à aprendizagem da criança está sempre vinculada às oportunidades e às experiências que foram oferecidas.
Para que as observações não se percam e possam ser utilizadas como instrumento de trabalho elas são registradas de diversas formas: escrita, gravação em áudio e vídeo, fotografias, portfólios individuais e do grupo, atividades, projetos, oralidade e produção das crianças. A avaliação é portanto como um conjunto de ações que auxiliam o professor a refletir sobre as condições de aprendizagem oferecidas e ajustar sua prática às necessidades colocadas pelas crianças.
A avaliação tem a função de mapear, ou seja, orientar a professora em qual caminho seguir na ação educativa (observar o conhecimento da criança e quais dificuldades de avançar), a avaliação é sistemática e contínua, tendo como objetivo principal a melhoria da ação educativa, com relatório individual de cada aluno, onde as observações do seu desenvolvimento escolar, sem objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao Ensino Fundamental.
As observações sobre o desenvolvimento da criança são anotadas pelo docente em fichas de acompanhamento, sintetizadas em relatórios trimestrais, discutidas com os pais e arquivadas no prontuário do aluno.

• Ensino Fundamental – Séries Iniciais
A construção do conhecimento do aluno se dá de forma dinâmica e progressiva. Esta construção está constantemente sendo refletida, ampliada e complementada por ele, a partir de suas experiências de vida, do seu desenvolvimento geral e das interações intelectuais sofridas dentro e fora da escola. Isto pressupõe uma avaliação que contemple o acompanhamento contínuo do aluno, prevenindo as dificuldades e exigindo objetividade e a implementação de melhorias sobre o objeto da avaliação.
A produção individual e coletiva do aluno é definida através das expectativas de aprendizagem, explicitadas na perspectiva da construção do conhecimento, da capacidade de analisar e tomar decisões.
O processo de avaliação deve representar um compromisso do professor em investigar e acompanhar o processo de ensino-aprendizagem, no cotidiano, de forma contínua, processual e gradativa; buscando não só compreender e participar da caminhada do aluno, mas também intervir, instigando aprendizagens intelectuais significativas, em termos de oportunidades de expressão de suas ideias, como também rever sua prática pedagógica.
Nesse contexto, a avaliação da sequência das tarefas e realizações do aluno é observada e interpretada pelos educadores que trabalham com ele. Os registros das avaliações têm caráter circunstancial, tendo como base o processo de aprendizagem do aluno.
Nessa perspectiva, avaliar é ver, julgar e agir de forma que se efetive como um processo avaliativo contínuo, qualitativo, mediador, respeitando a diversidade.
Um processo avaliativo mediador é, por natureza, preventivo, no sentido de uma atenção constante às dificuldades apresentadas pelos alunos; cumulativo, à medida que dados quantitativos e qualitativos se complementam, permitindo a análise global do aprendizado, sendo diagnóstico, à medida que permite a releitura do processo de ensino - aprendizagem pelo professor, que o reavalia baseando-se nas expectativas de aprendizagem.
No Ensino Fundamental I, a avaliação configura-se como processo global cumulativo, constante e contínuo, prevalecendo os aspectos qualitativos sobre os quantitativos.
Na avaliação do aproveitamento, são utilizadas as seguintes técnicas e instrumentos: provas, trabalhos individuais e de grupo, seminários e outros processos dinâmicos que a iniciativa pedagógica do professor sugerir, de acordo com a Proposta Pedagógica.
Em cada instrumento de avaliação, o aluno recebe uma nota de aproveitamento de 0 a 10 e cada instrumento de avaliação tem seus conteúdos específicos.
As notas trimestrais são baseadas no processo de aprendizagem verificadas nos instrumentos avaliativos.

• Ensino Fundamental – Séries Finais
            Para o Colégio Farroupilha e sua filosofia holística a avaliação não se apresenta enquanto finalidade, mas sim como parte integrante e fundamental do processo de ensino aprendizagem.
Visando atender esta premissa, se faz necessário abandonar a visão de avaliação classificatória em detrimento a um processo que promova e estimule o desenvolvimento individual de cada aluno. Não se trata de compará-los entre si, mas sim de observar sua evolução pessoal.
A análise da evolução apresentada pelos alunos nos exige promover uma avaliação que seja contínua e que apresente variedade de instrumentos avaliativos, de forma a possibilitar a observância de múltiplas habilidades e competências ao longo do tempo.
Nas atividades avaliativas analisam-se o desenvolvimento cognitivo (habilidades e competências) e atitudinal de cada aluno seguindo o próprio Regimento e o princípio humanístico da instituição. Propicia-se a avaliação destes elementos em atividades individuais e coletivas de modo a trabalhar autonomia e a capacidade colaborativa. Quando possível, proporcionam-se atividades interdisciplinares, de modo a não ver o conhecimento como algo que se encerra em si.
Por fim, tanto a construção das notas trimestrais como a anual seguem a ideologia holística e de aprendizado contínuo, de modo a não se constituir enquanto uma média aritmética e sim como uma análise do processo evolutivo de cada aluno (educando a todos, conhecendo um a um).
Recuperação da aprendizagem do Ensino Fundamental
A recuperação é parte integrante do processo de construção, reconstrução e recriação do conhecimento, é a orientação contínua de estudo e criação de novas situações de aprendizagem.
De acordo com o artigo 86, 87 e 88 do Regimento Escolar, a recuperação se processa de forma contínua e paralela.

  8.2 - Tarefa de Casa
Instrumento valioso na aprendizagem da construção do pensamento e do grupo. A tarefa é constituída por dois conteúdos básicos:
• Os conteúdos do sujeito: seu saber e seus significados.
• Os conteúdos da matéria: objeto do conhecimento a ser estudado.
É importante para: revisar, fixar, aprofundar conteúdos trabalhados em sala de aula espera-se que o aluno desenvolva:
• Hábitos de estudo, corroborado pela exigência da família;
• Resolva a tarefa sozinho a partir dos conhecimentos adquiridos em sala de aula ou pesquisa, tornando-se autônomo e independente;
• Que não haja interferência de outros na execução da tarefa.
Sabe-se que a tarefa de casa jamais deve ser usada como instrumento de punição ou mera repetição sem sentido e que uma tarefa de casa bem feita supervisionada só trará benefícios ao desenvolvimento do aluno. Representa uma oportunidade de auto-aprendizagem, auto-conhecimento, de reflexão, de expressão e de crescimento pessoal.
Toda a tarefa solicitada pelo professor recebe algum tipo de tratamento, que pode variar conforme o objetivo. Exemplo:
• Correção individual feita pelo professor.
• Correção coletiva feita pelo aluno com mediação do professor e dos colegas.
• Correção feita em duplas de alunos, com posterior revisão do professor.
• Correção por amostragem feita pelo professor.
• Autocorreção.

      8.3- Relação Professor x Aluno
Baseado na proposta sócio-interacionista de Vygotsky e na construção do conhecimento da psicologia genética de Piaget, essa construção passa a ser um processo mais amplo, na qual se valoriza uma reflexão constante sobre a ação pedagógica pela qual se instiga no educando a busca através dos conteúdos, habilidades e objetivos.
Nesta perspectiva a aproximação do professor com o aluno é fundamental para que haja melhor desenvolvimento do processo pedagógico.  Sendo assim, o professor ocupa-se em estabelecer um relacionamento, no qual o aluno se sinta reconhecido, valorizado e aceito em sua individualidade.
Ao estudar, pesquisar, preparar antecipadamente as atividades e dar continuidade a elas, inventar e recriar sua didática, ao ter a clareza do seu caminho, enquanto educador, o professor mostra ao seu aluno que está presente e atento, construindo, assim, um ambiente cooperativo em sala de aula e respeitando sempre as características individuais.
Preparando-o para a vida em um ambiente que favorece o prazer em aprender, o professor é o mediador de todo o processo da formação do aluno, que é pensada em quatro aspectos dinamicamente equilibrados entre si: afetivo, social, cognitivo e corporal.  Isso significa que o professor não se preocupa apenas com o currículo, mas está comprometido com uma autêntica educação para valores éticos e morais. Assim, ele cria oportunidades educativas que permitem ao aluno vivenciar, identificar e incorporar valores positivos a sua vida.

“Para que o processo educacional seja real, é necessário que o educador se torne educando e o educando, por sua vez, educador. Quando esta relação não se efetiva, não há educação.” (Mizukami, 1986).

      8.4- Recursos Didáticos e Espaço Físico
Os recursos pedagógicos são utilizados para reforçar e complementar os conteúdos vistos em sala de aula, levando o aluno a interagir com diferentes instrumentos, propiciando um novo olhar sobre os conteúdos estudados.
Além do espaço sala de aula, a mudança de espaço físico estimula o aluno à resolver situações-problema que não poderiam ser vistos em sala de aula, resultando em uma aprendizagem mais dinâmica e interativa.
No Colégio Farroupilha, temos os seguintes recursos e espaços pedagógicos:
• Lousa digital;
• Laboratório de informática;
• Biblioteca;
• Sala de multimídia;
• Palco de artes cênicas;
• Quadra poliesportiva;
• Pátios internos;
• Play-ground;
• Tanque de areia;
• Brinquedoteca;
• Refeitório;
• Sala de repouso;
• Data show;
• Aparelho de som e imagem;
• Sala de artes.


      8.5- Estudo do Meio
O Colégio Farroupilha tem consciência de que lugar de aprender não é apenas na escola, sempre seguindo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), esses que destacam a importância dos alunos conhecerem e valorizarem as características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais, materiais e culturais e de se perceberem integrantes e agentes transformadores do ambiente. Todos esses pontos podem ser trabalhados em aula, mas as atividades de campo (saídas de estudo) permitem comparar e confrontar, no mundo real, os conteúdos estudados.
Para programar as saídas de estudos, o primeiro passo é fazer uma boa pesquisa com informações detalhadas sobre destinos e eventos adequados ao currículo, ao Projeto-Político-Pedagógico (PPP) e ao público atendido pela escola. É possível também organizar ações que dispensem grandes deslocamentos com opções de locais próximos que são perfeitos para trabalhos de campo e, se possível, terceirizar as atividades. Isso possibilita oferecer maior segurança e tranquilidade aos pais e às crianças, que usufruem das saídas pedagógicas de maneira mais confortável. Com esse suporte, elas tornam-se mais dinâmicas e assistidas.
O Colégio se atenta à necessidade da comunicação antecipada, que está diretamente ligada à capacidade dos pais se organizarem financeiramente para darem conta da demanda extra que representam as excursões.
A leveza, a novidade do ambiente extraclasse não são atrativos só pela diversão em potencial, mas fatores que têm papel fundamental no processo de aprendizado e certamente contribuirão para que de fato complemente a matéria ensinada em sala de aula.
As saídas de longa distância e com valores maiores são duas por séries, divididas nos dois semestres do ano e há também as saídas mais próximas da escola, que podem ou não ter custo aos alunos; todas atreladas aos conteúdos programáticos anual ou semanal. O Colégio Farroupilha desenvolve suas saídas com interdisciplinaridade, enriquecendo o contexto cultural-social do seu aluno. Lembrando que todas as atividades extraclasse, sempre são para aprimorar o aprendizado do aluno e seu conhecimento de mundo.

      8.6- Inclusão
O olhar crítico para a história da humanidade revela, com muita clareza, que nenhuma sociedade se constitui bem sucedida, se não favorecer, em todas as áreas da convivência humana, o respeito à diversidade que a constitui.
Nenhum país alcança pleno desenvolvimento, se não garantir, a todos os cidadãos, em todas as etapas de sua existência, as condições para uma vida digna, de qualidade física, psicológica, social e econômica.
A educação tem, nesse cenário, papel fundamental, sendo a escola o espaço no qual se deve favorecer, a todos os cidadãos, o acesso ao conhecimento e o desenvolvimento de competências, ou seja, a possibilidade de apreensão do conhecimento historicamente produzido pela humanidade e de sua utilização no exercício efetivo da cidadania.
É no dia-a-dia escolar que crianças e jovens, enquanto atores sociais, têm acesso aos diferentes conteúdos curriculares, os quais devem ser organizados de forma a efetivar a aprendizagem. Para que este objetivo seja alcançado, a escola precisa ser organizada de forma a garantir que cada ação pedagógica resulte em uma contribuição para o processo de aprendizagem de cada aluno.
De acordo com a Resolução nº 04, de 02 de outubro de 2009, artigo 1º - Para a implementação do Decreto nº 6.571/2008, os sistemas de ensino devem matricular os alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação nas classes comuns do ensino regular e no Atendimento Educacional Especializado (AEE), ofertado em salas de recursos multifuncionais ou em centros de Atendimento Educacional Especializado da rede pública ou de instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativos.
Segundo a Declaração de Salamandra (1994): “O princípio fundamental da escola inclusiva consiste em que todas as pessoas devem aprender juntas, onde quer que isso seja possível, não importam quais dificuldades ou diferenças elas possam ter”.
A inclusão, essencialmente, além de ser direito de qualquer cidadão é dever da escola que por isso cabe promovê-la em seu ambiente. Desse modo, se faz necessário abordá-la no seu sentido mais amplo, ou seja, no que consiste nos diversos tipos de inclusão: a social, a de gênero, a de raça, a de pessoas com deficiências específicas, etc.
Atualmente, a Lei nº 15.830, de 15 de junho de 2015, traz a seguinte redação: Autoriza o Poder Executivo a limitar o número de alunos nas salas de aula do Ensino Fundamental e Médio que têm matriculados alunos com necessidades especiais.
O Presidente da Assembléia Legislativa: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo, nos termos do artigo 28, § 8º, da Constituição do Estado, a seguinte lei:
Artigo 1º - Fica o Poder Executivo autorizado a limitar, em até 20 (vinte) alunos, o número de matrículas das salas de aula do ensino público fundamental e médio que têm matriculado 1 (um) aluno com necessidades especiais.
Parágrafo único – No caso de aplicação do disposto no “caput” deste artigo e na hipótese de o número de alunos com necessidades especiais ser igual a 2 (dois) ou 3 (três), as demais matrículas não poderão ultrapassar 15 (quinze) alunos.
Artigo 2º - O número de alunos das salas de aula do ensino privado fundamental e médio que têm matriculado 1 (um) ou 2 (dois) alunos com necessidades especiais fica limitado a 20 (vinte) matrículas.
O Colégio Farroupilha, desde a sua fundação, vem trabalhando a inclusão escolar acolhendo-as, promovendo a sua integração com a comunidade escolar e o desenvolvimento de suas habilidades e potencialidades.
Os movimentos das aulas cooperativas e empáticas visam quebrar preconceitos em atitudes discriminatórias. Com isso, promove-se vivências necessárias, que aliadas aos conteúdos que abordam mais diretamente o tema inclusão, em textos, filmes, etc, tornará os alunos cidadãos mais conscientes em relação a se conviver bem com a diversidade.
Para que o trabalho seja realmente de qualidade são seguidas as orientações do Artigo 118 do Regimento Escolar, analisando principalmente no que se refere ao número de alunos.
Artigo 118 - O Colégio pode atender o aluno com necessidades especiais nos cursos de Educação Infantil e/ou Ensino Fundamental, com o objetivo de inclusão e para ampliar, positivamente, as experiências de todos, dentro do princípio de educar na diversidade.
§ 1° -  O aluno mencionado no caput deste artigo é admitido mediante:
1. laudo de profissional legalmente especializado, atestando a viabilidade de sua  inserção em classes da Educação Básica para que o Colégio possa  considerar o seus níveis de desenvolvimento geral, pessoal e social;
2. acompanhamento paralelo, sistemático e concomitante de serviços de apoio especializado, providenciado pela família, para atender às necessidades peculiares do aluno;
3. entrosamento da família e dos serviços de apoio especializado com o Colégio, visando o acompanhamento e a aprendizagem do educando.
§ 2° - O  número de alunos com necessidades especiais admitidos em cada turma depende das possibilidades de atendimento por parte do Colégio e da decisão do respectivo Órgão Colegiado.
§ 3º - O Colégio, quando necessário, deve providenciar orientação e/ou capacitação de docentes que atuam nas classes com alunos mencionados no caput deste artigo.
§ 4° - As normas deste Regimento aplicam-se integralmente aos alunos mencionados no caput deste artigo, adotando-se formas alternativas de metodologias, materiais didáticos e avaliação.

9-Organização do Cotidiano
     9.1-Curso de Férias e Atividades Extras
  Curso de Férias
O curso de férias proporciona uma quebra da rotina escolar com atividades lúdicas e prazerosas como:
• Oficina de artes – desenho, pintura, modelagem, colagem, confecção de materiais e painéis, origami, bordados, etc.
• Música, dança e ginástica.
• Jogos cooperativos.
• Brincadeiras.
• Teatro.
• Hora do conto/Dramatização.
• Pesquisas (biblioteca e informática).
• Passeios.
A equipe responsável é constituída por professores e monitores do próprio Colégio.
Participam do curso de férias as crianças da Educação Infantil e Séries Iniciais, com dias e horários opcionais de meio período ou período integral.
Oferece alimentação saudável constituída de lanche e almoço sob a orientação da nutricionista.

Atividades Extras
1-  Recreio Escolar
O Colégio Farroupilha tem um olhar cuidadoso para todos os espaços pedagógicos na escola, entre eles o recreio escolar, que de forma alguma pode ser considerado neutro, pois se constitui em local que opera com as relações interpessoais. 
O recreio na realidade da escola é visto pelo professor como merecido descanso após um período de duas ou três aulas; pelo aluno como período livre para se alimentar, brincar, ou simplesmente se aquietar.
Ao pensar nas possibilidades de prática de lazer do recreio escolar estamos abrindo um leque de diferentes atividades culturais carregadas com uma série de valores e concepções que poderão ser produzidas ou reproduzidas.
Para valorizar a diversidade cultural e o potencial educativo das práticas de lazer, a escola e seus monitores tornam o recreio escolar numa busca constante por novas possibilidades de práticas para as crianças vivenciarem esses momentos, contemplando, por exemplo:
• Práticas físicas – pular corda, duro ou mole;
• Práticas artísticas – teatro, música, dança, artes plásticas;
• Práticas manuais – confecção de objetos, modelagens, colagens;
• Práticas de raciocínio lógico – jogos de tabuleiros, jogos matemáticos;
• Práticas literárias – leitura, composição de poemas, músicas, paródias.

2- Hino Nacional – Momento Cívico
O Colégio Farroupilha entende o Civismo como um sentimento que deve ser semeado a todo instante e que deve permear todos os atos públicos. Portanto deve-se aprender, desde a mais tenra idade, o amor e o respeito aos Símbolos Nacionais e em especial à Bandeira Nacional. A escola é o lugar mais apropriado para esse aprendizado. É onde se forma o verdadeiro caráter do homem civilizado, comunitário e cidadão.
O Colégio incentiva a realização de atividades relacionadas com a importância dos símbolos nacionais, de acordo com a Lei Federal nº 5.700, de 2 de setembro de 1971, item 2: “ Nas escolas públicas ou particulares é obrigatório o hasteamento da Bandeira Nacional pelo menos 1 x por semana.
De acordo com a lei criada por Lincoln Portela (PR-MGO) e sancionada pelo presidente em exercício, José de Alencar, e publicada no dia 21 de setembro de 2009, as escolas devem realizar o momento cívico, com a execução do Hino Nacional do Brasil, por, no mínimo uma vez por semana.
O Colégio Farroupilha tem como prática essas orientações e, 1x por semana, os alunos do 2º ao 9º ano são agrupados no pátio, por período onde ocorre a execução e o canto do Hino Nacional, a Bandeira é hasteada. Nessa oportunidade os alunos e professores apresentam temas relacionados com o Projeto Civismo.

3- Lanche Comunitário
O Colégio Farroupilha oferece aos seus alunos o Lanche Comunitário, preparado com matéria prima de qualidade e por merendeiras treinadas garantindo a segurança alimentar. O cardápio do lanche é elaborado por nutricionista e contém alimentos saudáveis de todos os grupos oferecendo ao aluno os nutrientes e o aporte calórico adequados ao período em que permanece na Escola e aos pais conforto e comodidade.
Os pais têm como opção contratá-lo pagando um valor por ele ou enviar a lancheira de casa desde que sua composição seja próxima ao lanche oferecido.
O cardápio mensalmente é atualizado e fica disponível no site do Colégio.

     9.2-Cursos Extra-Curriculares
Nosso investimento nos recursos expressivos se fundamenta na medida que favorecem a interdisciplinaridade, estabelecendo liames com áreas afins, vindo ao encontro com a nossa Filosofia e a nossa Proposta Pedagógica. Possibilita o exercício da socialização, o desenvolvimento da criatividade, da memorização, ampliação do vocabulário, domínio de postura, dicção, emissão, entre outros.

Dança: a dança enquanto processo educacional, contribui para o aprimoramento para as habilidades básicas, dos padrões fundamentais do movimento, no desenvolvimento das potencialidades humanas e sua relação com o mundo. O uso da dança na prática pedagógica favorece a criatividade, além de favorecer no processo de construção do conhecimento. O Colégio reconhece a dança como instrumento de socialização, para formação de cidadãos críticos, participativos e responsáveis. A dança, sendo uma experiência corporal, possibilita aos alunos nova forma de expressão.

   Capoeira: tem como objetivo contribuir para a difusão da Cultura Popular Brasileira. As aulas contemplam parte do folclore brasileiro e o resgate de valores como respeito ao próximo e integração social. Além disso, desenvolve a agilidade, a coordenação motora e a flexibilidade. Como outras manifestações populares, representa um importante papel na afirmação do Saber Popular.

     Futsal Misto – a atividade desportiva como o futsal é entendida como atividade natural do movimento, de extrema importância global da criança e do adolescente, podendo desenvolver habilidades físicas, motoras, cognitivas, psicológicas e sociais. A prática esportiva reafirma seu papel de colaboradora dispondo de um espaço muito rico para discussões e reflexões de conflitos e valores. O indivíduo plenamente desenvolvido a partir do movimento, consegue construir uma vida ativa, saudável e produtiva, criando uma integração segura e adequada e de desenvolvimento harmônico entre corpo e mente.
Música - Grupo Musical – é incontestável a influência da música e dos sons sobre os seres humanos, os animais e até nas plantas. É uma forma direta de comunicação: ela fala de coração para coração. É uma linguagem, um instinto que pode e precisa ser desenvolvido desde a infância. Tem um magnífico poder de nos acalmar de nos iluminar. No Colégio influência em várias disciplinas:
• Matemática: ritmo, métrica, proporcionalidade, equivalência, múltiplos e  operações.
• Português: articulação e dicção, estrutura fraseológica, expressão, interpretação de texto e ampliação de vocabulário além de ajudar em outros idiomas.
• Ciências: aspectos físicos do som.
• Educação Física: harmonia de movimentos.
• Estudos Sociais: conhecimentos da história.

Mangá – o curso tem como objetivo apresentar o Mangá (história em quadrinhos japonesa) para os alunos, suas diferentes técnicas de desenho dentro deste estilo e incentivar o aluno a buscar seu próprio modo de desenhar e se expressar. O curso visa orientar a criança a criar seus próprios desenhos e posteriormente, suas próprias histórias. Sua linguagem, hoje em dia, é referência e influencia outras mídias como os comics, animação e cinema.

Musicalização – já é constatado há muito tempo a eficácia da Música no processo de desenvolvimento das crianças, sendo assim tão importante quanto as disciplinas no currículo escolar. O estudo do violão e da flauta, assim como outros instrumentos musicais, contribui para o desenvolvimento das coordenações sensório-motoras, educa os sentimentos cívico-sociais, influindo na moldagem do caráter, desperta o desempenho do aluno que passa a ter uma média de aprendizado muito maior em outras disciplinas. Nas aulas de violão/flauta os instrumentos são experimentados pelas crianças, conhecem as notas musicais, ritmos, interpretação de palco e através do lúdico, porém com muita seriedade, objetiva-se a criação de um musical onde todos participarão com seus instrumentos e performances.

     9.3- Período Integral
O Período Integral, pioneiro em Campinas desde 2001, visa atender as necessidades dos alunos, dentro das suas possibilidades e limitações. Tem como objetivo criar um ambiente de convívio e desenvolvimento de habilidades onde os alunos possam aprender ludicamente, alimentar-se adequadamente, relacionar-se corretamente com o meio ambiente e desempenhar suas tarefas de estudo com responsabilidade, capricho e organização.
 O espaço foi projetado para proporcionar aos alunos um ambiente acolhedor, para que se sintam “em casa”, garantindo a tranquilidade e a segurança desejada pela família. É um espaço que possibilita a construção de valores para a convivência harmoniosa, respeitando-se as particularidades de cada aluno.
 Nossa equipe de profissionais é capacitada para oferecer um trabalho de qualidade, pautada na educação com afeto e disciplina, focada nas integrações sociais.
Os professores pedagogos e suas auxiliares são responsáveis pelas turmas agrupadas por segmentos com atividades diferenciadas: Educação Infantil, Séries Iniciais e Séries Finais.

Almoço / Lanche
O Colégio oferece aos seus alunos refeições nutritivas, equilibradas e saudáveis, preparadas com matéria-prima de qualidade e técnicas adequadas, além de treinamentos contínuos e específicos para a equipe do serviço de alimentação, garantindo higiene e segurança alimentar. O cardápio de qualidade apresenta diversidade e respeita a sazonalidade e com isso uma maior quantidade de nutrientes em relação às hortaliças e frutas.
O cardápio funcional contém alimentos responsáveis por manter a saúde e prevenção de doenças, contribuindo para o desenvolvimento físico, mental e também o bom desempenho escolar.
É composto por alimentos que atendem as necessidades nutricionais da criança a partir de um ano de vida. São oferecidos aos alunos o almoço e um lanche. Diariamente no lanche contamos com substituições tanto para a bebida como para pães e bolos.
O Colégio oferece cardápios especiais para alunos com restrições alimentares, fazendo com que a criança sinta-se totalmente integrada ao grupo que realiza as refeições na escola.

Hábitos de Higiene
Para que os alunos estejam bem acolhidos e preparados para uma rotina cheia de descobertas, desafios e aprendizagens é preciso um olhar atento às questões de higiene.                 E isso não tem a ver só com a limpeza do ambiente, dos objetos e dos brinquedos. Envolve também o modo como as crianças se relacionam com elas mesmas, com as outras, com o espaço ao redor e com as tarefas cotidianas. Isso inclui a hora da higiene e o momento do descanso.
A higiene pessoal faz parte dos hábitos diários da criança tanto em casa primeiramente, quanto na escola e são ensinados aos pequenos desde o início de seu desenvolvimento, para que haja a conscientização do cuidado com o próprio corpo e do ambiente em que vivem.
Sabemos que a higiene corporal é de suma importância, portanto, através da rotina diária queremos que nossos alunos sejam beneficiados, orientados e alertados da necessidade do cuidado do corpo como um todo.

Escovação
Realizamos a escovação dos dentes sempre logo após as refeições, acompanhamos cada criança e procuramos estimular a coordenação, organização dos pertences de uso pessoal e sua autonomia.
   Para as crianças que conseguem manusear a escova de dente, acompanhamos apenas corrigindo posturas e hábitos. Para aquelas que ainda não possuem o domínio da escovação, procuramos ajudá-las até que consigam atingir a autonomia.

Troca de Roupas
Logo após a escovação, a criança é estimulada a fazer as trocas de roupas e calçados, a ter organização na hora da troca e quanto ao guardarem seus pertences na bolsa / mochila, tudo isso sempre acompanhada pelo professor ou auxiliar de classe.
Para utilização dos sanitários, a criança sempre está acompanhada de um profissional, seja ele o professor ou o auxiliar. Neste momento o profissional auxilia a criança para que haja os cuidados necessários, sempre orientando e enfatizando a importância de uma boa higiene.
Através do diálogo, este momento é importante para reforçar com a criança os hábitos necessários de higiene e cuidados com o corpo.
Lições de Casa
O objetivo da “Lição de Casa” é despertar o prazer pelos estudos, além de ajudar a fixar o conteúdo aprendido em sala de aula.
Para o aluno é muito importante e fundamental, pois ajuda a enfrentar desafios pedagógicos, além de ajudá-lo a construir autonomia, estabelecer uma rotina e a melhorar a capacidade de organização.
Por isso, o Período Integral tem como expectativa aprofundar os temas já estudados introduzindo atividades gradativamente com a finalidade de manter a continuidade da ação pedagógica, reforçando o conteúdo e criando o hábito de estudo.
Ajuda também a desenvolver posturas adequadas na execução das tarefas de casa, a importância do estudo fora da sala de aula, orientação de lições, revendo as atividades dadas em classe, pesquisando e se aprofundando nos assuntos discutidos.
           As lições de casa são feitas com acompanhamento diário dos professores pedagogos e dos auxiliares, que se comunicam diariamente com as professoras dos cursos regulares.
O estudo é proporcionado através de materiais de apoio escrito e eletrônico, principalmente para os trabalhos de pesquisa.
Iniciamos as lições de casa em horário fixo, com duração de duas horas, com acompanhamento e orientação de forma individual e muitas vezes coletiva (cada turma com suas atividades), pela professora titular e auxiliar.
Os alunos seguem o cronograma de aula para trazerem os materiais necessários para as lições do dia. Eles criam o hábito de organização e de cuidados com os materiais escolares e pessoais.
O uso dos computadores para as pesquisas é utilizado como ferramenta de apoio, pois quando usado de forma adequada gera aprendizagem significativa, há um aumento da criatividade e motivação nos alunos, ou seja, a aula se torna dinâmica e interativa.
Vale ressaltar a importância do acompanhamento em casa, para que o aluno saiba e compreenda o quanto é importante a parceria Colégio X Família.
Leitura Compartilhada: o Período Integral incentiva a leitura dirigida e a leitura livre
A leitura compartilhada é uma situação didática que possibilita:
• Despertar o prazer da leitura e aguçar o potencial cognitivo e criativo do aluno.
•  Promover o desenvolvimento do vocabulário, favorecendo a estabilização de formas ortográficas.
• Possibilitar o acesso aos diversos tipos de leitura na escola, buscando efetivar enquanto processo a leitura e a escrita.
• Estimular o desejo de novas leituras.
• Possibilitar a vivência de emoções, o exercício da fantasia e da imaginação.
• Possibilitar produções orais, escritas e em outras linguagens.
• Proporcionar ao indivíduo através da leitura, a oportunidade de alargamento dos horizontes pessoais e culturais.
• Ampliar a visão de mundo e inserir o leitor na cultura letrada.
• Estimular o desejo de outras leituras.
• Vivenciar emoções, exercícios da fantasia e da imaginação.
• Expandir o conhecimento a respeito da própria leitura.
• Constituir um repertório de ideias e conteúdos.
Atividades Recreativas
A recreação é uma prática prazerosa, onde proporciona aos alunos a autonomia, além de promover atividades em grupo. Tem como objetivo vivenciar situações que exijam cooperação, socialização, responsabilidade e respeito aos limites e às normas estabelecidas pelo grupo.
Parque
O Parque é composto por brinquedos adequados para cada idade. Assim como em todos os ambientes da escola, são trabalhados com as crianças os valores de amizade, respeito, cuidados com o colega e companheirismo. É incentivada a brincadeira em grupo, a socialização e o compartilhamento de espaços, sempre com respeito e amor.
As crianças estão sempre acompanhadas pelo professor e auxiliar de classe que zelam pela integridade física e afetiva de cada aluno.

Tanque de Areia
No tanque de areia trabalhamos a socialização, o respeito pelo espaço e pertences de cada um e a percepção tátil.
É um momento muito apreciado pelas crianças porque além do contato e manuseio da areia, elas também usam sua criatividade ao criar castelos, estradas, bolos, etc, se divertindo com baldes e pás de plásticos que fazem parte deste ambiente.
É permitida à criança que fique descalça na areia, assim, ela tem maior percepção e sensação de liberdade.
Também trabalhamos a organização e a cooperação na hora de organizar o ambiente quando terminamos de usá-lo.

Brincadeiras
Brincando, as crianças entram em contato com diferentes situações e informações.
A brincadeira leva a criança a resolver seus conflitos e desenvolver autonomia. Toda esta formação é acompanhada pelo professor, procurando auxiliar e incentivar a resolução dos conflitos de uma forma que respeite a ética e valores. Este respeito envolve o diálogo, a cooperação e a amizade.
As brincadeiras sempre são orientadas pelo professor e pelo auxiliar de classe, que também brincam com os alunos fazendo com que os vínculos possam ser fortalecidos.
Nas brincadeiras, as crianças seguem os combinados e as regras, isso também ajuda na formação do cidadão.
Através das brincadeiras trabalhamos o conhecimento do ambiente, do grupo, de si próprio, a aprendizagem, os movimentos, a independência, os valores, a cooperação e o diálogo.
Nas atividades dirigidas, trabalhamos brincadeiras como:
• Cantigas de roda.
• Faz de Conta/ Imaginação.
• Coelhinho Sai da Toca.
• Dança das Cadeiras.
• Caixa Surpresa.
• Elefante Colorido.
• Passa Anel.
• Corda.
• Pare Bola.
• Telefone Sem Fio.
• Amarelinha; etc.

Ao brincar, o professor procura enfatizar o valor de estar em grupo e a importância de saber ganhar e saber perder.


JOGOS
Nos jogos trabalhamos a coordenação, o raciocínio lógico, a percepção, a atenção e a imaginação.
Ex: Jogo da Velha, Xadrez, Quebra-Cabeça, Jogos de Encaixe, Lego, Dama, Dominó, Uno, Jogo da Vida, Banco Mobiliário, etc.
Nos momentos de socialização com jogos, nunca se está perdendo tempo. Com eles, os alunos aprendem a aprender, a estudar, a investigar, a tomar decisões, a analisar as condições, etc. É importante conscientizar que o jogo não é apenas um entretenimento, pois também envolve responsabilidade, respeito pelos demais jogadores e pelo grupo em geral, uma vez que não se trata de passar algum tempo brincando, mas de aprender, de forma divertida, o máximo possível.
A socialização da criança é feita por intermédio de regras que representam o limite que regula as relações presentes entre os alunos. Nesse momento o aluno pode construir normas para suas brincadeiras e, assim, descobrir, interagir e ampliar seus conhecimentos.

Dia do Brinquedo (Sexta-feira)
Vygotsky, ao empregar o termo “brinquedo”, num sentido amplo refere-se, principalmente, a atividade ao ato de brincar. O brincar intensifica a percepção infantil, que por sua vez, direciona seu pensar de maneira cada vez mais equilibrada, favorecendo a aprendizagem ao longo do seu crescimento.
O brincar infantil não pode ser considerado apenas brincadeiras superficiais, sem valor, pois no verdadeiro e profundo brincar, acordam, despertam e vivem forças de fantasias que, por sua vez, chegam a ter uma ação direta sobre a formação e sobre a estruturação do pensamento da criança.
O brincar infantil constitui a forma básica mais importante e decisiva do ser humano, por fazer desabrochar e ativar as forças criativas da criança.
A  fantasia infantil necessita desenvolver pelo manuseio ativo do material  que a criança  tem oportunidade de  vivenciar  no mundo, as formas e a qualidade de tudo que existe.

O dia do brinquedo é muito especial, pois a criança tem a oportunidade de trazer para a escola um brinquedo que gosta muito. Valorizamos muito esse dia, pois as crianças podem brincar em diferentes locais, exercitando a responsabilidade e cuidado com o seu brinquedo. O dividir e aprender a brincar juntos são um grande aprendizado para os nossos alunos.
Nosso dia de brinquedo é toda sexta-feira. Nos demais dias da semana, não é permitido trazê-lo. Orientamos aos pais que auxiliem seus filhos na escolha de brinquedos que possibilitem brincadeiras em grupo como: jogos, bonecas, carrinhos, dentre outros.
O brinquedo enviado deve ser adequado à faixa etária da criança e não conter peças perigosas. Os pais são orientados que não enviem brinquedos valiosos ou de estimação, uma vez que poderão ser manuseados por outras crianças. Não são permitidos brinquedos eletrônicos e nem brinquedos que geram violência, como armas.

Datas Comemorativas
Ao trabalhar as datas comemorativas de maneira contextualizada, valoriza-se sua importância no meio social.
Respeita-se os princípios e valores de cada aluno e a tradição de cada família, para que as datas comemorativas sejam um momento de alegria para todos e nunca causa de desconforto a ninguém.
As datas comemorativas, pertinentes ao mês serão trabalhadas paralelas aos Projetos.

Datas Comemorativas como:
• Carnaval.
• Dia Internacional da Mulher.
• Dia da Água.
• Páscoa.
• Dia do Índio.
• Dia das Mães.
• Festa Junina.
• Dia Mundial ao Meio Ambiente.
• Folclore.
• Dia dos Pais.
• Dia das Crianças.
• Natal.
A importância da atividade esportiva no espaço escolar
Ao vivenciar atividades físicas e esportivas, adequadas a cada faixa etária, a criança desenvolve as habilidades de ser, conviver, conhecer e fazer, adquirindo consciência dos seus limites e possibilidades.
Do ponto de vista físico, as atividades ampliam as habilidades motoras, proporcionam boa formação corporal, liberam hormônios que favorecem o bem-estar, a autoconfiança para corresponder aos desafios da vida e ajudam a diminuir a timidez.
Através das atividades coletivas aprendem a trabalhar em equipe, buscando um objetivo comum, dividindo responsabilidades, praticando a cooperação. A atividade física, quando prazerosa, tende a ser um hábito, que se perpetua ao longo da vida. A escola, juntamente com a família, deve valorizá-la.
As atividades esportivas no Colégio Farroupilha permitem ao aluno:
• Participar em diversos jogos, respeitando as regras e não discriminando os colegas.
• Participar e apreciar brincadeiras ensinadas pelos colegas.
• Resolver situações de conflito por meio do diálogo, com a ajuda do professor.
• Discutir as regras dos jogos.
• Utilizar habilidades em situações de jogo, tendo como referência de avaliação o esforço pessoal.
• Resolver problemas corporais individualmente.
• Participar em atividades competitivas e cooperativas, respeitando as regras e não discriminando os colegas, suportando pequenas frustrações, evitando atitudes violentas.
• Refletir e avaliar seu próprio desempenho e dos demais, tendo como referência o esforço em si, prescindindo, em alguns casos, do auxílio do professor.
• Analisar alguns movimentos e posturas do cotidiano a partir de elementos socioculturais e biomecânicos.


     9.4- Formação dos Professores
A implementação de uma proposta pedagógica de qualidade depende principalmente dos professores, por meio de suas ações, compartilhadas com seus pares, familiares e alunos. Os professores devem estar comprometidos com a prática educacional, capazes de responder às demandas familiares e dos alunos, assim como as questões específicas relativas à aprendizagem.
Contrato Pedagógico que normatiza o trabalho docente de acordo com o Regimento Escolar
Artigo 112- São deveres dos membros do Corpo Docente:
I- Comparecer com pontualidade ao Colégio e desenvolver atividades educacionais dentro do horário fixado, ocupando-se em classe dos conceitos relativos ao Plano Escolar.

• Ser pontual e assíduo. Não chegar atrasado, sair antecipadamente ou faltar sem justificativas previstas pelas leis trabalhistas. Cumprir integralmente os tempos estipulados, não saindo nem permitindo os alunos saiam antes do sinal.
• Estar na sala de aula pronto para trabalhar no horário previsto de cada aula. Deve ser o primeiro a entrar e o último a sair da sala de aula.
• Quando for necessário faltar, comunicar com antecedência para providências de substituição. O professor deverá deixar atividades de acordo com o conteúdo que está sendo trabalhado. Caso haja imprevistos, avisar assim que possível a pessoa responsável.
• Não envolver-se em atividades particulares durante o horário de trabalho e que interfiram no tempo dedicado ao Colégio.
• Não deixar os alunos sem atividades antes do término de cada aula.
• Não deixar o local de trabalho sem permissão da Coordenação/Direção.
• Não bater o cartão de outro funcionário ou alterar algum registro.
• Durante a aula deve acompanhar o aprendizado dos seus alunos, circular pela sala, realizar trabalho individualizado, corrigir atividades, pontuando erros.

II- Elaborar e cumprir o Plano de Trabalho, segundo a Proposta Pedagógica do Colégio.

• Entregar com pontualidade o Planejamento Anual, Plano Trimestral, Plano de Aula, Projetos, Saídas de Estudos, questões de Simulados, e outras solicitações.
• Utilizar recursos e ferramentas diversificadas através de aulas investigativas, e reflexivas, em grupos, duplas ou trios, que desenvolvam as competências e habilidades referendadas pelos PCNs e RCNs.
• Articular o livro do Sistema Pueri Domus com o material digital interativo e fazer uso do Portal.
• Deixar claro para todos os alunos nosso Sistema de Avaliação contida no Regimento Escolar: Aprendizagem do aluno em termos de conhecimentos e habilidades dominadas. Os avanços verificados e demonstrados.As condições pessoais do aluno, considerando suas atitudes e valores

III- Zelar pela disciplina do Colégio

• Não deixar alunos sozinhos. Em caso de emergência, solicitar o auxílio de um monitor.
• Manter a disciplina em sala é função do professor. Se persistir o problema, o aluno deverá ser encaminhado para a Coordenação, com a ficha de ocorrência preenchida pelo professor, acompanhado de um monitor.
• Faça combinados com seus alunos e retome-os sempre que for necessário, inclusive os pedidos para saídas da sala.
• Tratar os alunos com respeito e dentro das normas estabelecidas pelo Colégio, de acordo com o Regimento Escolar (Direitos e Deveres dos Discentes).
• Orientar os alunos para manterem a disciplina em todos os espaços da Escola. Colaborar para que as mesmas sejam cumpridas.

IV – Cumprir e fazer cumprir as normas do Colégio

• Não fazer uso do celular, equipamentos eletrônicos: Ipod, games e outros similares e redes sociais como facebook e outros para uso próprio, no Colégio.
• Não atender pais e alunos no pátio ou na porta da sala. Os atendimentos serão agendados pela Coordenação/Direção, quando for solicitado pelo professor.
• Arquivar ou entregar os trabalhos dos alunos. A sala dos professores deve ser espaço apenas do professor e não deixar materiais espalhados. Após a alimentação fazer a higiene do espaço e jogar descartáveis no lixo.
• Ao final do período de aulas, bem como na saída para o intervalo, verificar se os ventiladores estão desligados, sala limpa, carteiras em ordem, lousa apagada e equipamentos desligados.
• Avisar casos de alunos faltosos a Coordenação.
• Lembrar os alunos o uso do uniforme – camiseta branca, calça azul marinho.
• Prevalece o bom senso no uso das vestimentas (roupas justas, curtas decotadas). Caso a escola ofereça o uniforme deverá usá-lo diariamente.
• O prazo de entrega de materiais a serem xerocados ou impressos na escola será de 72 horas.
• As solicitações de materiais para fins pedagógicos deverão ser entregues para a Coordenação na última semana de cada mês. As solicitações fora do período estabelecido não serão atendidas.
• Abster-se de emitir opiniões, junto dos alunos, sobre a atuação dos outros professores, funcionários, direção, coordenação e de outros alunos.
• Os assuntos tratados em conselhos de classe são confidenciais e não poderão ser divulgados.
• Consultar o “mural de avisos”, a fim de tomar conhecimento de formação continuada, reuniões pedagógicas, e demais informações pertinentes a alunos.
• Não fumar dentro ou nas imediações do Colégio.
• Não usar palavras ou gestos impróprios à moralidade e respeito.
• Não retirar do Colégio equipamentos ou recursos para fins particulares sem prévia autorização.
• Não introduzir pessoas estranhas ao trabalho em qualquer dependência do Colégio, sem prévia autorização.
• Não divulgar, por qualquer meio, assunto ou fato de natureza privada do Colégio.
• Não promover qualquer tipo de venda nas dependências do Colégio.
• Não ausentar-se do Colégio durante o horário de trabalho.
• Não transportar alunos em veículos próprios.
• Observar a ética no local de trabalho.
• Não fornecer celulares e emails particulares aos alunos e pais.
V – Desenvolver o plano de trabalho elaborado tendo em vista o período do trabalho escolar.

• Desenvolver todo o currículo dentro do prazo do ano letivo.
• Agendar e respeitar o uso das salas diversificadas: vídeo, laboratório, brinquedoteca, informática e sala com lousa digital. Toda atividade deve ter um objetivo pedagógico. Manter os equipamentos em ordem, nos seus devidos lugares.
• Os agendamentos para atividades em ambientes diversificados devem ser feitos com uma semana de antecedência, respeitando o calendário e agendamento de outros professores. Tal agendamento só será realizado mediante plano referente a proposta do trabalho.
VI – Estabelecer estratégias de recuperação paralela, contínua e de reforço para o aluno com aproveitamento não satisfatório.
• Fazer da avaliação uma atitude diagnóstica, formativa, somativa, consciente, responsável e permanente visando o desenvolvimento dos conteúdos conceituais, factuais, procedimentais, atitudinais e das competências e habilidades.
• Entregar com pontualidade: os planos e atividades de recuperação.
• Registrar no Diário de Classe todo o processo de recuperação.
VII – Manter-se atualizado sobre os acontecimentos relativos a sua área e, ao planejamento curricular como um todo, bem como participar efetivamente das atividades de assessoria proposta pelo Coordenador Pedagógico.
• Ter atitudes que demonstrem abertura ao diálogo e aceitar melhores soluções. Buscar a melhor performance no desempenho de suas atividades.
• Manter-se atualizado com as informações (circulares, comunicados, avisos, etc.).

VIII -Ministrar os dias letivos e as horas-aula estabelecidas, além de participar  integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, avaliação e formação continuada.
•    Atentar-se ao seu horário diário em relação as aulas e o horário de Reunião Pedagógica. Não existe tempo de tolerância. Casos de urgência avisar somente a pessoa responsável e para evitar transtornos procure agendar compromissos em horário inverso.

IX – Participar de seminários de estudo, costumes culturais e cursos de interesse próprio e/ou do Colégio dentro e fora do mesmo.

•     Participar efetivamente do programa de formação continuada oferecido pelo Colégio em locais e horários pré-estabelecidos como: o professor e suas práticas, assessoria oferecida pelo Pueri Domus, palestras, cursos, etc.
• Buscar autoconhecimento e investimento pessoal.

X – Colaborar com as atividades de articulação do Colégio com as famílias e a comunidade.

• Participar dos Eventos realizados pela Escola que envolvam a comunidade: projetos, Reunião de Pais, Festa Junina, Dia da Família e outras datas comemorativas.
XI – Entregar na Secretaria nos prazos determinados, os resultados das avaliações realizadas e frequência do aluno.
• O Diário de Classe é um documento importante. Deverá estar sempre limpo, organizado e preenchido para ser entregue sempre que for necessário.
• O Diário de Classe deverá permanecer no Colégio em local pré-estabelecido.
• Entregar pontualmente as tarjetas e notas sem rasuras.
XII – Manter em dia os registros e observações sobre dados de avaliação dos alunos, fornecendo informações necessárias ao Serviço de Apoio Pedagógico e Educacional e aos pais ou responsáveis.
XIII – Obedecer os termos da legislação trabalhista, à Legislação Educacional e ao presente Regimento Escolar.
• Comunicar à Secretaria qualquer modificação em seus dados pessoais, mudanças de residência ou telefones, etc.
• Manter atualizado seu prontuário entregando certificados.

     9.5-Reunião de Pais
A Reunião de Pais e Mestres no Colégio Farroupilha não existe apenas para cumprir uma exigência legal do Calendário Escolar.
O objetivo das reuniões é compartilhar interesses e missões tendo em vista benefícios para os alunos. A relação entre a escola e os pais é de parceria e possuem um grande poder de aproximação.
Independente dos encontros nas reuniões trimestrais, os pais sempre são atendidos em suas necessidades emergenciais e, preferencialmente, através de agendamento com os coordenadores e professores. Dessa forma os pais esclarecem suas dúvidas e estabelecem uma relação de confiança e cooperação com a escola.
Nas Reuniões trimestrais, os professores e coordenadores procuram conhecer um pouco sobre a vida do aluno em casa e também informar à família sobre a conduta do aluno no ambiente escolar. Outro objetivo é fornecer elementos para os pais estimularem seus filhos a terem um melhor desempenho acadêmico, social e afetivo.
O atendimento portanto, nas reuniões de calendário, nos três segmentos é individualizado. No Ensino Fundamental os pais avaliam com os professores e coordenadores o desempenho trimestral do aluno, seus avanços e os pontos que ainda precisam ser trabalhados, através de uma ficha contendo todas as informações necessárias. (ficha em anexo-modelo).
Na Educação Infantil e no 1º ano do Ensino Fundamental as Reuniões são desenvolvidas a partir de um relatório individual, elaborado pelos professores e especialistas contendo as expectativas de aprendizagem alcançadas em todas as disciplinas.

10-Estrutura Organizacional
    10.1 – Organograma (Anexo)
    10.2 – Grade Curricular (Anexo)

11- Projetos
Projetos Período Integral
Através de projetos, os alunos refletem sobre vivências e experiências, dando a oportunidade de aprenderem conceitos que possam levar por toda a vida, como conviver em harmonia, respeitar o próximo, aprender a trabalhar em grupo, ser criativo, ter uma linguagem bem desenvolvida, constituir uma leitura de mundo de forma inteligente, proporcionar novas perspectivas, ser perceptivo e desenvolver a criatividade, dentre outros.

Projeto: No Mundo da Imaginação

Justificativa: A literatura infantil é um caminho que leva a criança a desenvolver a imaginação, emoções e sentimentos de forma prazerosa e significativa.
É importante para a formação de qualquer criança ouvir muitas e muitas histórias, pois é através dos livros e contos infantis que a criança enfoca a importância de ouvir, contar e recontar histórias.
Incentivar a formação do hábito de leitura na idade em que todos os hábitos se formam, isto é, na infância, é muito importante. Neste sentido a literatura infantil é uma peça fundamental para este desenvolvimento.

Objetivos Gerais: Levar o aluno ao mundo da imaginação e ao mesmo tempo a descobrir o maravilhoso universo da literatura infantil.

Objetivos Específicos:
• Reconhecer algumas Histórias infantis.
• Oportunizar a criatividade, imaginação, humor.
• Desenvolver o hábito de ouvir com atenção.
• Enriquecer e ampliar o vocabulário.
• Intervir, posicionar, julgar e modificar historinhas e contos.
• Desenvolver o pensamento lógico e a rapidez de raciocínio.
• Permitir a livre expressão.
• Promover e estimular a linguagem oral.
• Desenvolver atenção e coordenação motora fina e ampla.
• Desenvolver e estimular a expressão corporal.
• Cuidar e valorizar os livros.
• Estimular o gosto pela leitura.

Conteúdos:
• Data comemorativa: Dia nacional do livro infantil.
• Motricidade fina e ampla.
• Expressão corporal.
• Artes plásticas: pintura, modelagem, recorte e colagem com material diverso, desenho livre e dirigido.
•Contação de histórias.
• Criatividade.
• Música e ritmo.

METODOLOGIA
• Conversa informal, diálogo e questionamento oral através das histórias, cartazes, figuras e relatos sobre o assunto.
• Música dramatizada relacionada às histórias.
• História em sequência.
• Histórias infantis.
• Sessão historiada.
• Biblioteca na sala.
• Fantoches e dedoches.
• Máscaras de personagens.
• Vídeos.
• Produção de um cd para a entrega no final do projeto.


Projeto Educação Nutricional
Justificativa:  A idade escolar corresponde à faixa etária onde se formam os hábitos alimentares. Atividades de Educação Nutricional transmitem conceitos corretos e incentivam hábitos saudáveis, contribuindo diretamente para a saúde, bem estar e qualidade de vida da criança; estendendo-se para a adolescência e vida adulta.
A má alimentação pode trazer sérias consequências para a criança em idade escolar, como ficar facilmente cansada e incapaz de participar completamente das experiências de aprendizagem. Dessa forma, perder-se-á aulas por ela estar frequentemente doente.
Com aulas de Educação Nutricional, podemos inibir maus hábitos alimentares, incentivando a cada dia os bons hábitos e enaltecendo as mudanças e conquistas alcançadas.

Objetivo: As atividades aplicadas têm, como objetivo, colocar a criança em contato com os alimentos, despertar o interesse em degustá-los e transmitir de forma simples e objetiva a importância do consumo dos alimentos saudáveis, a fim de se ter um crescimento e um desenvolvimento adequado e, consequentemente, a manutenção da saúde.

Desenvolvimento:
Educação Infantil
• Atividades culinárias incentivando o consumo de alimentos saudáveis.
• Degustações despertando o interesse em conhecer novos alimentos.
• Plantio, cultivo e colheita na horta onde a criança passa a conhecer os vegetais in natura.
• Atividades especiais em datas comemorativas.

Ensino Fundamental – 1º ano
• Pirâmide dos Alimentos.
• Nutrientes: fontes e funções.
•  Erros alimentares e consequências para a saúde.
• Atividades culinárias incentivando o consumo de alimentos saudáveis.
• Degustações despertando o interesse em conhecer novos alimentos.
• Plantio, cultivo e colheita na horta onde a criança passa a conhecer os vegetais in natura.


12- Referências Bibliográficas

VEIGA, Ilma Passos A. (org.) “Projeto Político Pedagógico da Escola: uma construção possível”. Campinas: Papirus, 1995.
CAMPBELL, Inês Selma.  “Projeto Político Pedagógico”. Rio de Janeiro: Wakeditora, 2010.
TAVARES, Clotilde. “Iniciação à Visão Holística”. Rio de Janeiro: ABDR,1998.
MATURANA, R. Humberto. Emoções e linguagem na educação e na política; tradução: José Fernando Campos Fortes. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.
DELORS, Jacques (corrd) - Educação: Um tesouro a descobrir. UNESCOL, MEC, Cortez.2001.
MATUI, Jiron. Construtivismo – Teoria construtivista sócio-histórica aplicada ao ensino; São Paulo, Moderna, 1936.
OLIVEIRA, Martha Hubner D´. Analisando a relação professor-aluno: do planejamento à sala de aula.; São Paulo, CLR Balieiro, 1987.
ARANHA, Cecília C. e VIEIRA, Rosane A, Apostila Arte Livro 1,2,3 e 4 – Ensino Fundamental I, Escolas Associadas. PCNs - Parâmetros Curriculares Nacionais - Arte

 

 

 

 

 

Nenhum registro no momento.

Compartilhe: